QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Um dos aspectos notáveis da evolução espiritual humana é que todos os doentes da alma se tornam médicos por sua vez.” Bezerra de Menezes

Atualidades

Mediunidade infantil no filme ‘Sexto Sentido’

Enviado em 5 de setembro de 2017 | Publicado por Rádio Boa Nova

A dica de filme com temática espírita de hoje é o “Sexto Sentido”. Quem já não se surpreendeu ao vê-lo vela primeira vez? Já aviso que esse texto contém spoilers. Embora seja um filme de 1999 (há 18 anos atrás), talvez tenha pessoas que ainda não viram e não queremos estragar a experiência de ninguém. Então, o leitor já está ciente que vamos entregar o final da trama.

O psicólogo infantil Malcolm Crowe (Bruce Willis) cuida do caso de Cole Sear (Haley Joel Osment). O garoto, de apenas 8 anos, não consegue se enturmar no colégio e vive tremendo de medo de espíritos. Malcolm vive um dilema também, pois procura se restaurar de um drama vivido anos antes, quando um de seus pacientes se suicidou na sua frente.

O que causa a surpresa nos espectadores ao final da trama é o fato de Malcolm estar desencarnado. Sua morte ocorreu quando foi assassinado pelo paciente, que tirou sua vida em seguida. Mas ele não se lembra disso. Como espírito, ainda não compreende a passagem para o segundo plano e fica sem saber do que aconteceu na última encarnação.

Por esse fato, o psicólogo é visto apenas por Cole, dotado de mediunidade infantil aflorada. Chama a atenção o momento em que o garoto afirma ao psicólogo: “eles [os espíritos] só veem aquilo que querem ver”. Para os mais observadores, a câmera dá um close em Malcolm. Porém, ninguém desconfia desse fato até o término do longa (eu, pelo menos, não). As almas elevadas explicaram este evento nas questões 163 e 164 do O Livro dos Espíritos.

“Deixando o corpo, a alma tem imediata consciência de si mesma? – Consciência imediata não é o termo: ela fica perturbada por algum tempo”.

O segundo questionamento é se os espíritos experimentam, no mesmo grau e pelo mesmo tempo, a perturbação que se segue à separação da alma e do corpo.

A resposta: “Não, pois isso depende da sua elevação. Aquele que já está depurado se reconhece quase imediatamente, porque se desprendeu da matéria durante a vida corpórea, enquanto o homem carnal, cuja consciência não é pura, conserva por muito mais tempo a impressão da matéria”.

O garoto pode ver esse espírito errante e sua habilidade de vidas passadas faz com que ele tenha contato também com espíritos inferiores. Que vivem assustando o menino. Segundo a palestrante espírita, Celina Sobral, em entrevista a TV Mundo Maior, as crianças podem se comunicar com todos os espíritos, mas alerta que “não é muito normal ter contato com espíritos inferiores”.

Para as famílias que percebem que seu filho possui mediunidade aflorada, Celina recomenda que os pais levem a criança a um centro espírita. Jamais devem dizer que o pequeno está louco ou “vendo coisas que não existem”. Nesta fase, eles estão mais ligados ao plano espiritual do que os adultos, pois estão completando o reencarne material.  Segundo a palestrante, também deve-se falar de Jesus Cristo e sobre a importância da evangelização no lar.

Ver gente desencarnada é uma habilidade que muitos médiuns desenvolvem desde a mais tenra idade. A doutrina espírita, diz que médiuns todos nós somos, mas alguns têm mediunidade ostensiva . O que significa que existem pessoas que podem ver, de fato, os mortos.

Esse sexto sentido é produzido por um órgão específico do corpo humano. Segundo informações dos espíritos, a epífise, glândula situada na região centro posterior da área diencefálica do cérebro, constitui a sede fisiológica de todos os fenômenos mediúnicos.

Fontes:  Rede Amigo Espírita, Mediunidade infantil – Visão Espírita e Ippb.

Clique aqui para conferir outra dica de filme com temática espírita: “Um Olhar do Paraíso”.

Para saber mais sobre o assunto, assista:

 

 

Leticia Lopes, 26, é jornalista guarulhense formada pela Faculdade Anhanguera e colaboradora da Rádio Boa Nova e TV Mundo Maior. Já assinou matérias em jornais locais e atuou como assessora de comunicação. Nas horas vagas, gosta de ler romances e revistas de jornalismo literário. Não dispensa uma boa pizza e a companhia dos amigos. É apaixonada pelo mundo espiritual e por recursos que estimulam o autoconhecimento.

Deixe seu comentário: