QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“De nada adianta crer, se sua crença não o faz dar sequer um passo na senda do progresso.” Allan Kardec

Artigos

Como acatar somente o que for bom

Enviado em 5 de setembro de 2017 | Escrito por Eliete Ribeiro | Publicado por Rádio Boa Nova

Você já parou para pensar como somos bombardeados constantemente com inúmeras mensagens e informações? Mas aí vem a pergunta: É possível filtrar e trazer para si somente o que é bom?

Quanta gente que gosta de dar um palpite e outro. O curioso é que estes palpites são os mais variados, todo mundo acha que entende de tudo. O maior sofrimento ocorre principalmente com a chegada do primeiro filho, claro que não pelo nascimento da criança, mas sobre a inexperiência dos pais que ficam em evidência, dando margem para os mais diversos conselhos. E aí, coitados dos pais e da criança também! Em alguns casos, os pais passam a ser os escravos da própria história, não são eles que educam ou tomam decisão sobre a história dos seus filhos, e sim, os palpiteiros de plantão.

Se o filho que acabou de chegar sofre com cólica nos primeiros meses, os pais estão literalmente fritos. Vem a mãe, a sogra, a tia, a vizinha, a irmã com as listas de sugestões: Você já deu chá de erva cidreira? Você já deu chá de camomila com erva-doce? Passa uma fralda quente e põe na barriguinha dela, dá um banho de água quente e passa um óleo na barriga, faz uma massagem na barriguinha…enfim, são tantas sugestões e conselhos que você não sabe nem o que seguir e de repente decide fazer todas e ao final não sabe nem o que deu certo. Uma situação bastante comum, que há muita interferência é quando a mãe amamenta o bebê no peito. Como normalmente o nenê mama muito, sempre vem um e pergunta: “Será que este leite está saciando mesmo”? Este seu leitinho não dá para nada. Dá uma mamadeira para essa criança. Ela deve estar morrendo de fome”.

Neste instante, ou você ignora e releva e finge que vai tomar as devidas providências, ou desiste de tudo e para de amamentar. 

Sabemos que todos têm a melhor das intenções, mas nem sempre estas sugestões são o remédio que a pessoa necessita naquele momento. Acaba que tudo se transforma num desgaste mental e físico.

Um tempo atrás no centro espírita que frequentava, uma trabalhadora no momento do passe mediúnico disse para uma mãe de primeira viagem, que havia sido intuída pela Espiritualidade para lhe dizer que não era preciso se preocupar e se culpar, pois estava sendo uma boa mãe. E que sua filha que nascera a pouco tempo tinha a escolhido para ser a sua mãe. Não era preciso se preocupar, que ela estava cumprindo o seu papel de uma boa mãe que era. E neste instante a mãe, claramente, respirou mais aliviada e ficou mais serena. Pois transparecia toda a agitação no seu semblante cansado, que tomara conta de sua rotina ora pelas noites mal dormidas, ora por tentar cumprir todas sugestões apresentadas com relação ao cuidado com o filho. E geralmente já chegando a sua linha limite e ao estado de esgotamento que a maternidade havia lhe trazido ela sentiu-se confortável e tranquila com a mensagem que recebera e percebera que era necessário somente seguir a sua intuição.

Por isso, é importante a família estar sempre em dia com a espiritualidade, porque mantendo uma assiduidade no centro espírita estamos sendo transformados, amparados e acolhidos pelos espíritos protetores. E nos despertamos para os valores do bem e afastamos tudo o que não é bom. Além de nos alimentar das boas vibrações e palavras edificantes.

Temos que estar atentos que mesmo no plano físico, recebemos sugestões de encarnados e desencarnados por meio de pensamentos sugeridos. Em o Livro dos Espíritos Allan Kardec nos instrui:

459 – Os Espíritos influem sobre os nossos pensamentos e as nossas ações?

– Nesse sentido a sua influência é maior do que supondes, porque muito frequentemente são eles que vos dirigem.

460 – Temos pensamentos próprios e outros que nos são sugeridos?

-Vossa alma é um Espírito que pensa; não ignorais que muitos pensamentos vos ocorrem, a um só tempo, sobre o mesmo assunto, e frequentemente bastante contraditórios. Pois bem: nesse conjunto há sempre os vossos e os nossos, e é isso o que vos deixa na incerteza, porque tendes em vós duas ideias que se combatem.

461 – Como distinguir os nossos próprios pensamentos dos que nos são sugeridos?

Quando um pensamento vos é sugerido, é como uma voz que vos fala. Os pensamentos próprios são, em geral, os que vos ocorrem no primeiro impulso.

De resto, não há grande interesse para vós nessa distinção e é frequentemente útil não o saberdes: o homem age mais livremente; se decidir pelo bem, o fará de melhor vontade; se tomar o mau caminho, sua responsabilidade será maior.

Você tem sido o autor da sua história ou tem permitido que a sua vida seja regida por outra pessoa?

Deixe seu comentário: