QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“A caridade dos Céus é fonte que não se esgota.” Auta de Souza

Artigos

Dia do Escritor

Enviado em 25 de julho de 2016 | No programa: Música e Sensibilidade | Escrito por José Damião | Publicado por Juliana Chagas

O Dia Nacional do Escritor é comemorado em 25 de julho no Brasil. Os escritores são homenageados também em 13 de musica_sensibilidade_23_07outubro, data conhecida como o Dia Mundial do Escritor. Este também foi o tema do programa “Música e Sensibilidade” apresentado dia 23 de Julho na Rede Boa Nova de Rádio.

O escritor se dedica às palavras em textos científicos ou fictícios, entretendo os leitores, que podem viajar com os pés no chão, navegar por mares nunca antes desbravados, se emocionar, rir, ou até mesmo gargalhar. E sonhar, dando asas à sua imaginação e se transportar para lugares mágicos… Os livros são importantes no aprendizado de todas as pessoas, criando novas opiniões e estimulando a criatividade.

Existem diversos tipos de textos científicos, literários que se dividem em romances, poemas, biografias e muitos outros.

Quero neste artigo falar do ato de escrever e das psicografias na literatura espírita.

Rainer Maria Rilke no livro “Cartas a um Jovem Poeta”, tradução de Paulo Rónai diz: “Procure entrar em si mesmo. Investigue o motivo que o manda escrever; examine se estende suas raízes pelos recantos mais profundos de sua alma; confesse a si mesmo: morreria, se lhe fosse vedado escrever? Isto acima de tudo: pergunte a si mesmo na hora mais tranquila de sua noite: “Sou mesmo forçado a escrever?” Escave dentro de si uma resposta profunda. Se for afirmativa, se puder contestar àquela pergunta severa por um forte e simples “sou”, então construa a sua vida de acordo com esta necessidade”.

E Rainer Maria Rilke prossegue em outro parágrafo:

“Não escreva poesias de amor. Evite de início as formas usais e demasiado comuns: são essas as mais difíceis, pois precisa-se de uma força grande e amadurecida para se produzir algo de pessoal num domínio em que sobram tradições boas, algumas brilhantes”.

Eu desde minha juventude tenho a lembrança destas páginas, questionando sobre o ato de escrever e para não começar escrevendo sobre o amor, porque não temos ainda toda a experiência de vida necessária.

Gostaria também neste artigo de falar sobre os escritores espíritas com suas obras relacionadas ao Espiritismo. Romances inspirados ou psicografados. Lembrando de Humberto de Campos e Francisco Cândido Xavier.  A partir de 1937, três anos após o retorno a pátria espiritual de Humberto de Campos, vários textos começaram a ser psicografados por Chico Xavier. Entre eles “Coração do Mundo, Pátria do Evangelho”.

No ano de 1944 a viúva de Humberto de Campos, em conjunto com os três filhos do casal, ingressou em juízo movendo um processo contra a Federação Espírita Brasileira e Francisco Cândido Xavier, no sentido de obter uma declaração, por sentença, de que essa obra mediúnica “era ou não do ‘Espírito’ de Humberto de Campos” e que em caso afirmativo, que ela obtivesse os direitos autorais da obra. O assunto causou muita polêmica e acabou no Supremo Tribunal Federal que decidiu arquivar o processo. Chico Xavier saiu vitorioso na ação.

A opção pela utilização do pseudônimo Irmão X deu-se após esse processo por precaução e o espírito passou a assinar os seus textos sob este pseudônimo, evitando novos dissabores.

Juridicamente existe essa discussão: a quem cabem os direitos autorais de obras psicografadas? Ao espírito do morto, ao médium ou aos herdeiros do autor? Por isso muitos livros têm seus direitos autorais cedidos a diversas entidades assistenciais.

“Nenhum escritor pode criar do nada. Mesmo quando ele não sabe, está usando experiências vividas, lidas ou ouvidas, e até mesmo pressentidas por uma espécie de sexto sentido.” Erico Veríssimo

 

Encerramos com a frase do filósofo Epíteto, que foi um filósofo grego que viveu a maior parte de sua vida em Roma, como escravo: “Se quiser ser escritor, escreva”.

Deixe seu comentário: