QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Antes de tudo precisamos entender que nada sabemos. Então, estaremos conscientes de nossa ignorância e capazes de aprender.” Centenário de J. Herculano Pires

Editorial

Casal adapta skate a terapia ortopédica para filha com doença degenerativa

Enviado em 3 de outubro de 2017 | Publicado por Rádio Boa Nova

Amor à única filha. Essa é a frase que define a missão do casal Ricardo Porva, 36 e a mulher, Aline Giuliani, que mora em Uberlândia (MG).

Eles lutam com o diagnóstico que reduzia a expectativa de vida da Iris, à época com 14 meses, para no máximo três anos, devido à AME (Atrofia Muscular Espinhal), uma doença degenerativa e ainda sem cura.

A AME é uma doença que atinge um em cada 10 mil bebês nascidos. Ela debilita o sistema nervoso até o ponto da criança não conseguir se mover ou respirar. A taxa de mortalidade ligada a AME é alta. Mas essa situação nunca impediu os pais de Iris de seguirem em frente e sonharem com a recuperação da filha.

O casal aplicou a máxima do “Evangelho Segundo o Espiritismo”, de que as doenças fazem parte das instabilidades da vida terrena e  que Deus colocou meios curativos à nossa disposição. Desta forma, Porva, skatista profissional, sempre procurou tratamentos divertidos para a filha se recuperar.

Então, quando a garota completou oito anos, em 2012, os pais descobriram uma terapia em Curitiba, composta de gaiola e vestimenta ortopédica ligada com tiras elásticas, para a prática de fisioterapia intensiva – as sessões devem ser realizadas diariamente por 40 dias, com quatro horas de duração. Porva adaptou um skate a base do equipamento. Hoje, pai e filha andam juntos de skate pelas ruas de Uberlândia.

 

Palavra de esperança – A espiritualidade, por meio do Evangelho, diz que nos mundos mais avançados, física e moralmente, o organismo humano, mais depurado e menos material, não está sujeito às mesmas enfermidades que o nosso, e o corpo não é minado secretamente pela devastação das paixões. (capitulo 3, nº 9).

É necessário, pois, que nos resignemos a sofrer as consequências do meio em que nos situa a nossa inferioridade, até que nos façamos dignos de uma transferência. Isso não deve impedir-nos de lutar para melhorar a nossa situação atual.

Fontes: Folha de SP e Evangelho Segundo Espiritismo.

Para saber mais sobre o assunto, assista:


 

 

 

Leticia Lopes, 26, é jornalista guarulhense formada pela Faculdade Anhanguera e colaboradora da Rádio Boa Nova e TV Mundo Maior. Já assinou matérias em jornais locais e atuou como assessora de comunicação. Nas horas vagas, gosta de ler romances e revistas de jornalismo literário. É apaixonada pelo mundo espiritual e por recursos que estimulam o autoconhecimento.

 

 

 

Deixe seu comentário: