QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“A caridade dos Céus é fonte que não se esgota.” Auta de Souza

Editorial

Conheça um pouco da história de Gabriel Delanne

Enviado em 13 de setembro de 2017 | Publicado por Rádio Boa Nova

François Marie Gabriel Delanne, mais conhecido como Gabriel Delanne, nasceu em Paris – França, no dia 23 de março de 1857 e desencarnou no dia 15 de fevereiro de 1923. Filhos de pais espíritas, ele foi um grande defensor da doutrina, o que se fez nos moldes rigorosamente científicos e com fidelidade do codificador.

Ao lado de Léon Denis, foi um dos mais importantes divulgadores do espiritismo. Delanne fez diversas conferências na Europa, inclusive na abertura do 1º Congresso Espírita e Espiritualidade, realizado em 1890.

Em 1882, Gabriel Delanne fundou a União Espírita Francesa e o jornal Le spiritisme. Já em 1883, graças a generosidade de Elisabeth D´Esperance (inglesa e médium de efeitos físicos e inteligentes), Gabriel Delanne fundou a revista “O Espiritismo”.

No ano de 1904, junto com Charles Richet e outros estudiosos, Delanne presenciou os fenômenos de materialização de Vila Cármen, em Argel. Sua produção literária não se apoia em especulações imaginárias, mas em fatos investigados e confirmados. Gabriel Delanne dedicou-se ao trabalho de demonstrar que o Espiritismo se apoio em bases científicas.

E ainda, escreveu diversas obras, conhecidas em todo o mundo:

  • Pesquisas sobre a Mediunidade;
  • A Alma é Imortal;
  • O Espiritismo perante a Ciência;
  • O Fenômeno Espírita;
  • A Evolução Anímica;
  • As Aparições Materializadas de Vivos e Mortos
  • Documentos para o Estudo da Reencarnação
  • A Reencarnação

Por meio de suas obras, Gabriel Delanne, nos mostrou que a física moderna, o hipnotismo, o magnetismo, a sugestão verbal ou mental, a telepatia e o Espiritismo, são convergentes para as fronteiras espirituais

François Marie Gabriel Delanne foi um ilustre pesquisador que dedicou toda sua vida à propagação do Espiritismo, pelo qual se sacrificou inutilmente aos olhos daqueles que só vêem no imediatismo a verdadeira razão do viver humano e por isso não podem compreender que, por força desse desprezo pelas vaidades e ambições terrenas, ele se cobriu de glórias espirituais pelo trabalho bem conduzido, sem vacilações e fielmente executado até seu derradeiro instante da vida corpórea.

Fonte: Rádio Boa Nova

 

Por Juliana Chagas 

Jornalista e produtora da Rádio Boa Nova

Deixe seu comentário: