QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Um dos aspectos notáveis da evolução espiritual humana é que todos os doentes da alma se tornam médicos por sua vez.” Bezerra de Menezes

Editorial

Hackers atacam instituições do mundo todo e pedem “resgate”

Enviado em 18 de maio de 2017 | Publicado por Eliete Ribeiro

 

A tecnologia geralmente é vista como algo sempre a nosso favor. Mas e quando estes avanços tecnológicos ao invés de nos ajudar causam grandes impactos em uma sociedade e colocam em risco muitas vezes até a vida de inúmeras pessoas? Geralmente assistimos episódios assim em séries americanas. Quando hospitais de emergências tem os seus sistemas abalados por hacker que destroem os computadores com vírus. E esta ficção realmente virou realidade. Um ataque hacker ainda sem autoria atingiu 74 países no mundo, chegando a prejudicar multinacionais de comunicação e sistemas de saúde públicos. No Brasil, os sites do Tribunal de Justiça e do Ministério Público de São Paulo saíram do ar, mas os órgãos afirmam que o problema não tem origem nos hackers.

Segundo as empresas especializadas em segurança cibernética, s21sec e Check-point, o que se espalhou foi um vírus do tipo ransomware que realiza sequestro dos dados das máquinas e já infectou empresas e instituições da Rússia, Portugal, Ucrânia, Turquia, Espanha, Taiwan e Reino Unido.

O vírus é capaz de introduzir-se nos sistemas através de uma falha no sistema operacional Windows, conhecida após os vazamentos de informações sobre uma ferramenta sigilosa utilizada pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos.

É muito triste tudo isto. Pois muitas pessoas utilizam sua inteligência para fazer o mal. Seria muito bom se todos dessem valor em seus talentos e vocações para o bem. Porém, infelizmente muitos utilizam desta sabedoria como instrumento de orgulho e perdição para si mesmos.

Em o Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec nos ensina o seguinte sobre o homem inteligente na Terra:

“Não vos orgulheis do que sabeis, porque esse saber tem limites bem estreitos no mundo em que habitais. Mas suponho que sejais uma dessas sumidades inteligentes desse globo e não tendes nenhum direito para disso vos envaidecerdes. Se Deus, em seus desígnios, vos fez nascer num meio onde pudestes desenvolver vossa inteligência, é que ele quer que dela useis para o bem de todos; porque é uma missão que vos dá, colocando em vossas mãos o instrumento com a ajuda do qual podeis desenvolver, a vosso turno, as inteligências retardatárias e as conduzir a Deus. A natureza do instrumento não indica o uso que dele se deve fazer? A enxada que o jardineiro coloca entre as mãos de seu operário não lhe mostra que ele deve cavar? E que diríeis se esse operário, ao invés de trabalhar, levantasse a enxada para com ela atingir seu patrão? Diríeis que é horrível e que ele merece ser expulso. Pois bem, não ocorre o mesmo com aquele que se serve de sua inteligência para destruir a ideia de Deus e da Providência entre seus irmãos? Não ergue contra seu senhor a enxada que lhe foi dada para roçar o terreno? Tem ele o direito ao salário prometido e não merece, ao contrário, ser expulso do jardim? E o será, não duvideis disso, e arrastará existências miseráveis e cheias de humilhação até que se curve diante d’Aquele a quem tudo deve”.

No momento que o hardware é atingido, o malware bloqueia qualquer tipo de acesso aos arquivos dentro da máquina, solicitando um resgate em troca da libertação do sistema. Trata-se de um pedido de pagamento de 300 dólares, em torno de 940 reais, via bitcoins. Segundo especialista consultado pelo El País, porém, o envio da quantia não é garantia de que todas as informações arquivadas possam ser recuperadas.

Uma das empresas atingidas foi a Telefônica, na Espanha. A filial brasileira afirmou, porém, que isso não afetou seu sistema. Além da empresa de telecomunicação, a seguradora Mapfre e o banco BBVA também foram atingidos. No Reino Unido, quem sofreu com a invasão foram 16 hospitais públicos do país, que ficaram sem acesso aos prontuários e tiveram suas ambulâncias redirecionadas.

O software malicioso é um dos mais comuns a rodar pela rede, imitando programas inofensivos quando baixado. Segundo o Instituto Nacional de Cibersegurança (Incibe), o malware que protagonizou os ataques é chamado de WanaCrypt0r, uma variante do WCry/WannaCry. Especialistas recomendam que o pagamento do resgate deve ser evitado.

Fonte das Imagens: http://pt.freeimages.com

Fonte do Texto: http://revistagalileu.globo.com

Deixe seu comentário: