QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Em matéria de felicidade só se possui aquela que se dá.” Emmanuel

Estudo_espirita

Como era a mediunidade antes de Allan Kardec?

Enviado em 30 de março de 2018 | Publicado por Rádio Boa Nova

mediunidade antes de allan kardecComo era a mediunidade antes de Allan Kardec? O codificador da doutrina espírita, em O Livro dos Médiuns, fala que todos que sentem em qualquer grau a presença de espírito é médium.

Para os espíritas, a mediunidade é considerada uma faculdade inerente ao ser humano, que independe da crença religiosa e que está presente em todas as épocas da humanidade.

Por exemplo, nas civilizações antigas (Egito, Pérsia, Grécia, Roma), a mediunidade era uma crença geral, e ainda, os médiuns eram vistos como seres privilegiados pelos deuses, além de serem consultados em busca de informações.

O termo espiritismo surgiu em abril de 1857, por isso, não é possível citá-lo antes desta data. Porém, pode-se falar dos fenômenos mediúnicos, que eram vistos como maravilhosos, sobrenaturais.

Mediunidade antes de Allan Kardec

De acordo com uma matéria publicada na revista Presença Espírita, o enterro dos mortos marca a ideia de vida após a morte. De acordo com antropólogos, a ideia de imortalidade surgiu a partir dos sonhos que o homem primitivo tinha com seus companheiros desencarnados, por exemplo, o vento nas árvores.

Segundo Ernesto Bozzano, a crença imortalista surgiu da experiência mediúnica, durante o período do pleistoceno, cerca de 11 mil anos atrás, onde o homem Neanderthal foi obrigado a viver em cavernas, por conta do frio, e a partir disso, houve uma série de fatos mediúnicos, como por exemplo, a ectoplasmia.  Com isso, ainda de acordo com Bozzano, os sonhos premonitórios, as visões de Espíritos, a materialização foram fatos concretos que levaram o homem a crer em vida após a morte.

Ou seja, a partir dos médiuns neandertalenses surgiram os ancestrais dos sacerdotes de todas as religiões.

E ainda, deste a antiguidade é possível encontrar a evocação dos mortos, por exemplo, a religião Hebraica, se baseou na mediunidade dos profetas.

Já na Grécia, e também em outros povos, os médiuns atuavam como conselheiros dos reis, além dos homens irem para retiros em busca de isolado e estudo, por exemplo, Moisés subiu ao Monte Sinai com o objetivo de ter respostas para suas necessidades.

Porém, é com Cristo que a mediunidade ganha maior destaque e vem orientada pela disciplina que a sua condição de médium de Deus proporciona. Porém, devido a ignorância no que diz respeito a este assunto, houve muitas perseguições aos médiuns tanto ao tempo de Jesus quanto na Idade Média, quando ela é julgada como intervenção demoníaca, neste período muitos médiuns foram jogados em fogueiras ou então sofreram torturas.

Hydesville (Irmãs Fox) e Mesas Girantes

O caso das Irmãs Fox marcou os primeiros fenômenos espíritas dos tempos modernos, em 1848, em Hydesville, EUA, na casa da Família Fox, as irmãs Kate de 11 anos e Margareth de 14, passaram a ouvir leves batidas nas paredes e assoalhos de sua casa.

Entretanto, os ruídos aumentaram e as crianças passaram a ouvir batidas mais nítidas e sons de arrastar móveis. Até que então, na noite do dia 31 de março de 1848, foi descoberto um modo de entrar em contato com a entidade espiritual. Kate, de 7 anos, desafiou a “força invisível”, batendo palmas, ela disse: “Sr. Pé Rachado, faça o que eu faço”. De modo imediato repetiram-se as palmadas. Quando a menina parou, o som parou em seguida.

Um dos irmão de Margareth e Kate descobriu que um homem havia morrido na casa. Após o ocorrido, as irmãs começaram a se manifestar ostensivamente.

Mesas Girantes

Já as mesas girantes proporcionaram uma maior divulgação da mediunidade. Foi graças a elas, que a Madame de Girardin conseguiu a atenção de Victor Hugo, e também foi com as mesas girantes que Allan Kardec começou seus estudos.

Allan Kardec, codificador da doutrina espírita

Em 1854, o codificador da doutrina espírita propõe aprofundar suas análises a respeito do tema, observando, julgando para mostrar ao mundo a mediunidade como uma faculdade orgânica inerente ao ser humano.

A obra de Allan Kardec despertou interesse no assunto, e com isso, Ernesto Bozzano, Gabriel Dellane e outros pesquisadores contribuíram para o enriquecimento do espiritismo.

Mediunidade

A mediunidade sempre esteve presenta na história da Humanidade, por mais, que muitos não acreditem nisso. Entretanto, a espiritualidade maior nos ensina muita e nos permite ter crescimento espiritual. Através de Chico Xavier, Divaldo Pereira Franco e outros médiuns, percebemos que nossos conhecimento a respeito da mediunidade é íntimo, perante esse manancial de luz.

Fonte: Portal do Espírito

 

 

Por Juliana Chagas 

Jornalista e produtora da Rádio Boa Nova

Deixe seu comentário: