QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“De nada adianta crer, se sua crença não o faz dar sequer um passo na senda do progresso.” Allan Kardec

Estudo_espirita

Obsessão entre encarnados

Enviado em 30 de abril de 2017 | Publicado por Rádio Boa Nova

Allan Kardec, codificador da doutrina espírita, nos ensinou que a obsessão é uma via de mão dupla, ou seja, o processo obsessivo ocorre entre desencarnados e encarnados, entre desencarnados e até mesmo entre encarnados. Já que, a inteligência é o espírito, estando em um corpo ou na erraticidade.

Muitas pessoas quando ouvem a palavra “obsessão”, imediatamente pensam na ideia de espíritos desencarnados perseguindo os encarnados. Porém, muitas vezes este espírito desencarnado tem como objetivo proteger a “vítima”, ou até mesmo, se aproximar em busca de companhia.

Já em relação ao assédio obsessivo ele acontece por várias questões, por exemplo, no momento em que uma das partes decide melhorar a outra que não consegue acompanhar faz de tudo para atrapalhar, para mostrar que é um tempo perdido, ou seja, o crescimento do outro incomoda a sua inferioridade.

Você sabia que é muito comum a obsessão entre encarnados? Como ela acontece?

Este tipo de obsessão ocorre entre aqueles que habitam um mundo de provas e expiações, que habitam a matéria densa e grosseira, como por exemplo, a Terra.

Além do ciúme, um dos fatores principais deste tipo de obsessão. Existe, a questão da convivência anterior, onde os envolvidos cobram seus direitos, além de se julgaram inocentes ou lesados por aqueles que cruzaram o seu caminho. E ainda, se discórdia não foi resolvida enquanto eles estavam juntos, eles levam para a espiritualidade as tristezas, e por isso, sentem-se no direito de reclamar.

Com isso, os “prejudicados” no passado acabam criando antipatias, aversões ao outro o que acaba criando, por exemplo, rixas familiares. Já que os espíritos que são unidos por laços continuam emitindo vibrações negativas.

Segundo Allan Kardec, no capítulo X, item 4, do livro O Evangelho Segundo o Espiritismo, a inveja, mágoa, raiva, ódio, rancor, vingança e o desejo do mal também podem ser fatores que influenciam este tipo de obsessão, já que a pessoa tem a capacidade de dominar mentalmente aqueles que escolhem como vítimas.

E ainda, essas obsessões podem acontecer a partir de um amor possessivo, por exemplo, um marido que proíbe a mulher de fazer alguma coisa (trabalhar, sair com as amigas), ou então, por meio de uma amizade em que um lado obriga o outro a pensar do mesmo jeito.

Além de serem paixões que provocam um desequilíbrio emocional, podendo levar a assassinato, suicídio.

E quais são as diferenças entre a obsessão de desencarnado e encarnado?

A maior diferença é a facilidade do acesso do obsessor para o obsediado. Porém, isto não impede que a obsessão aconteça no astral. Durante o sono físico, o obsessor pode trabalhar livremente, mostrando assim a sua verdadeira cara, já que o ser está parcialmente liberto do corpo carnal.

Estas relações doentias podem estar relacionadas a outras reencarnações, o que pede um reajuste urgente. Por isso, faça uma auto-observação, analise a sua própria vida.

É muito importante estarmos atentos e ter coragem para ver as coisas de modo mais amplo. Além de cultivar amigos à nossa volta e não obsessores, é preciso nos afastar daqueles que desejam o nosso mal.

Fontes: O Consolador | Espírito Imortal

 

ju

Por Juliana Chagas 

Jornalista e produtora da Rádio B

Deixe seu comentário: