QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“De nada adianta crer, se sua crença não o faz dar sequer um passo na senda do progresso.” Allan Kardec

Estudo_espirita

Palavras positivas atraem bons espíritos

Enviado em 7 de julho de 2017 | Publicado por Elen Alarça

 

Você já deve ter escutado o conselho: “a palavra dita não tem volta”. São muitos os exemplos de situações que podem colocar em risco diversos tipos de relacionamentos. Uma discussão que ocorre com aquela pessoa querida, desequilibrando uma antiga amizade, ou mesmo uma briga com o chefe. Estas são situações em que queremos mudar o que dissemos, mas não tem jeito, já aconteceu.

O estudioso da doutrina espírita, Morel Felipe Wilkon, afirma que a palavra tem poder. Ele diz que as expressões negativas não merecem ser nem pronunciadas. A ótica do espiritismo é clara: existem consequências para tudo que dissermos. As ações acontecem por conta dos pensamentos. São três estágios: pensamento, palavra e ação.

A bíblia nos dá uma noção de controle da mente ao falar sobre o adultério em pensamento. Moisés proibia a infidelidade por parte da mulher, já que ela era propriedade do homem. No novo testamento, porém, Jesus foi além e reforçou que devemos não só não cometer este pecado, como também não sequer pensá-lo. Ao desejar a mulher do próximo, já ocorre o adultério. Todos os dias devemos vigiar nossos pensamentos para o bem. Conhecer a fundo as etapas do processo da consciência até a ação é importante.

Sobre o tema, Wilkon ressalta: “Uma coisa é desejar a mulher (pensamento); outra, mais grave, é declarar isso a ela e fazer-lhe propostas (palavra); outra, conclusiva e irreversível, é envolver-se sexualmente com ela (ação). O adultério é apenas um exemplo, para ficarmos no ensino de Jesus. Isso se aplica a qualquer ato. Pode-se pensar em agredir alguém; pode-se agredir verbalmente alguém; e pode-se agredir fisicamente alguém”.

Não somos perfeitos, no entanto, devemos edificar o nosso pensamento a cada dia. Tentar não refletir no mal quando ele vir à tona é uma saída. A imaginação tem poder sobre as nossas ações. Então quando vier aquele pensamento de raiva, por exemplo, faça outras coisas, ocupe sua mente. Se tiver estes impulsos fortes, eles vão tomando consistência e formam imagens e emoções reais, das quais trarão consequências de palavras negativas.

Essas palavras atraem espíritos maus. Mas como distinguir os bons dos maus espíritos? A esotérica, Monica Buonfiglio, dá sua avaliação: “Os bons médiuns e espíritos são prudentes e só prescrevem o bem; já os maus, exageram, sopram a discórdia por meio de insinuações para excitar a desconfiança e a animosidade”. Concluímos que as palavras e os pensamentos ruins não devem ser ditos, nem pensados. Se vier a vontade de reclamar, falar mal dos outros, usar de ironia, sarcasmo e deboche, façamos a prática do silêncio. A oração, a meditação, a leitura edificante, o estudo metódico das coisas do espírito, são algumas maneiras de controlar e mudar o padrão de pensamentos.
Fonte: Espírito imortalTerra

 

Leticia Lopes, 26, é jornalista guarulhense formada pela Faculdade Anhanguera e colaboradora da Rádio Boa Nova e TV Mundo Maior. Assinou matérias de jornais locais e já atuou como assessora de imprensa.

 

Deixe seu comentário: