QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Mediunidade é a faculdade humana, natural qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos.” Centenário de J. Herculano Pires

Artigos

Homossexualidade e Espiritismo

Enviado em 31 de agosto de 2016 | No programa: Diálogos Médicos | Escrito por Marcelo Saad | Publicado por Juliana Chagas

Este texto foi escrito baseado no programa Diálogos Médicos de 26/07/2016. Neste programa, discutimos uma matéria da Folha Espírita relacionada ao tema. Sabemos que, de modo geral, a sexualidade tem tabus que atravessam os tempos e as culturas.

Dois homens de costas olhando pela janela

 

A aversão à homossexualidade é um destes tabus, algo que não passa por explicações lógicas. Clinicamente, a homossexualidade já foi catalogada no passado como um distúrbio. Hoje, ela não é considerada uma doença, e sim uma preferência. Em uns poucos países, a homossexualidade ainda é crime; em alguns outros, as hostilidades contra homossexuais ficam impunes por uma omissão das autoridades.

No campo religioso, alguns grupos cristãos radicais baseiam-se em uma passagem bíblica (Levítico 18:22) para condenar a homossexualidade: “Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é”.

De fato, este preceito está no Antigo Testamento, mas o que estes grupos ignoram é que ali existem 613 mandamentos. Quem respeita todos estes preceitos são os judeus observantes ultra-ortodoxos. Alguns exemplos incluem: não comer misturas de leite e carne (Êxodo 23:19); não andar fora dos limites da cidade no Shabat (Êxodo. 16:29); os homens não devem raspar a barba com uma navalha (Levítico 19:27). Assim, alguém que faça a barba para viajar ao litoral no sábado para comer um cheeseburger já estará infringindo três mandamentos. E mesmo havendo uma objeção à homossexualidade no Antigo Testamento, não existe um mandamento incitando a perseguição àqueles que não o seguem.

Na prática cristã, se há conflito entre preceitos do Antigo com os do Novo Testamento, este último é prioridade. O cristão, quando em dúvida, deve perguntar o que Jesus faria. Podemos imaginar que Jesus poderia até mesmo acolher um homossexual como seu seguidor. Jesus aproximou-se de pecadores, prostitutas, coletores de impostos. Não condenou a adúltera, que havia sido sentenciada à morte por apedrejamento. Jesus defendia um caminho alternativo à estrita obediência à Lei, com a caridade como prioridade. Isto irritava os fariseus, o que culminou com o complô que resultou na crucificação de Jesus. Assim, alguém que siga cegamente o Velho Testamento está agindo como os fariseus.

Grupos espíritas que não permitam a aproximação de homossexuais nos trabalhos da casa espírita desconhecem que não há objeção doutrinária à integração destas pessoas nestas atividades.

No Espiritismo há referências vagas à homossexualidade, até porque suas principais obras guia são de outros tempos. Algumas citações ajudam a elucidar a situação espiritual na homossexualidade. Andre Luiz, no livro Evolução em Dois Mundos, cita que o Espírito não tem gênero. O corpo perispirítico se apresentará conforme a sua vida íntima o determine, refletindo a feição determinada por seu psiquismo.

O corpo físico vai mudando de gênero a cada nova encarnação. Algumas vezes, o Espírito reencarna na forma invertida à predominante em seu estado mental, por prova ou tarefa. Neste caso, o Espírito ainda se identifica com o gênero da encarnação passada, que pode não ser o mesmo da atual.

Mesmo considerando esta dissonância espiritual, a literatura espírita nunca cita a homossexualidade como algo patológico ou reprovável, que precise de modificação forçada. Os religiosos radicais que acreditem que perversões reprováveis seriam característica de homossexuais são incapazes de enxergar que heterossexuais podem ter comportamentos ainda mais degradantes.

Concluindo, não há argumento religioso que justifique hostilidade e perseguição aos homossexuais. O Espiritismo apenas estará na vanguarda da transformação da humanidade quando seus representantes forem capazes de agir como verdadeiros cristãos.

 

Foto ilustrativa: freepik.com

Deixe seu comentário: