QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Não exijas dos outros qualidades que ainda não possuem.” Chico Xavier

Artigos

Influência da espiritualidade nos casos de Alzheimer

Enviado em 10 de maio de 2016 | No programa: Pronto Atendimento | Escrito por Henrique Valêncio | Publicado por Juliana Chagas

Idoso sentado em um banco, virado de costas

Com o avanço da idade, geralmente as pessoas ficam mais serenas, mais calmas e muitas reações que na juventude seriam carregadas de certa energia exagerada ou até mesmo descontroladas, passam a ser revestidas de temperança e racionalidade.

É a experiência, o autoconhecimento que chegam com a maturidade. Entretanto, justamente quando a criatura fica mais ponderada e equilibrada, quando a sabedoria se faz presente de forma preponderante, surgem os quase inevitáveis efeitos da decrepitude do corpo físico. Como diz o brilhante jornalista Salomão Ésper, “é uma injustiça”!

Chico Xavier dizia: “Devemos pedir a Deus para viver muito…Depois dos 70 a gente não tem mais ânimo para ter qualquer coisa contra alguém”.

Devido ao aumento do número de pessoas idosas no Planeta, estatística que não é diferente no Brasil, os especialistas têm se debruçado sobre o problema que é o incremento de pessoas mais velhas e o decréscimo de nascimentos. Essa equação de difícil resolução já provoca certo pânico nos números da previdência oficial de todos os países, dentre eles o Brasil. Para que se tenha uma ideia, o número de brasileiros e brasileiras maiores de 60 e 65 anos aumentou de cerca de 15 milhões para 21 milhões de 1999 a 2009, apenas 10 anos! E não é pequena a preocupação das autoridades em propiciar um detalhe que escapa para muitos analistas: prover qualidade de vida para essas pessoas.

E cabe aqui a pergunta: existe uma relação direta entre as doenças e a espiritualidade? Ao que tudo indica, sim. Especialmente uma delas é motivo de grande apreensão e sofrimento para tantas pessoas, que é a chamada doença de Alzheimer, enfermidade neuropsiquiátrica que impossibilita à pessoa acessar sua memória mais profunda, ou seja, a família tem o seu ente querido presente, mas ele não consegue sequer reconhecer os amados com quem vive. É uma espécie de ser, não sendo que causa imensa dor aos familiares.

Sobre a doença de Alzheimer, alguns estudos têm demonstrado a influência da espiritualidade nas síndromes demenciais. Estudo recente publicado na revista Neurology demonstrou que altos níveis de espiritualidade e práticas religiosas foram associados a uma menor progressão da doença de Alzheimer. Este achado, que já havia sido investigado, mostrou que a frequência religiosa foi associada a menores taxas de declínio cognitivo, ao avaliar cerca de 3.000 pacientes idosos. Além disso, a prece e a leitura da Bíblia já têm se mostrado alternativas para pacientes demenciados agitados, assim como atividades religiosas e espirituais têm sido relatadas como capazes de prevenir agitação.

Como nós espíritas já tivemos chance de aprender, especialmente através da obra de André Luiz pela mão de Chico Xavier, a busca da espiritualização da criatura humana é a chave por intermédio da qual alcançaremos a libertação de todas as enfermidades que nos assolam, sejam elas doenças do nosso psiquismo, reiteradamente entregue às ilusões materiais, ou as que prostram e violentam nosso corpo físico.

Se entendemos que espiritualidade é uma busca pessoal para entender questões relacionadas à vida, ao seu sentido, sobre as relações com o sagrado ou transcendente, encontraremos no Evangelho de Jesus e na Codificação Kardequiana meios inigualáveis para atingir a saúde da nossa alma a breve tempo. Não sem lutas acerbas, posto que o inimigo a combater é tenaz e persistente e está fincado de forma profunda dentro de cada um de nós, consubstanciado em nossos erros, defeitos e vícios.

A nossa saúde, portanto, está diretamente ligada à conquista de nossa espiritualização, como Santo Agostinho cravou na resposta à pergunta n° 919 do Livro dos Espíritos: “Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.”

Deixe seu comentário: