QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Eduque suas tendências, optando por aquilo que lhe traga alegria.” Pastorino

Jornal nova era

Meryl Streep critica Donald Trump

Enviado em 10 de janeiro de 2017 | Publicado por Rádio Boa Nova

hillary-e-trumpNo último domingo (8) a atriz Meryl Streep recebeu o prêmio pelo conjunto de sua obra durante a premiação do Globo de Ouro.

A atriz que já recebeu 29 indicações, sem contar as 19 ao Oscar, em seu discurso de agradecimento, criticou Donald Trump, sem citar seu nome, ele que foi eleito com a promessa de expulsar estrangeiros.

Confira um trecho do discurso

“Obrigada, Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood. Só para citar o que o Hugh Laurie disse. Você e todos nós aqui pertencemos aos grupos mais desprezados da sociedade norte-americana atualmente, pensem nisso: Hollywood, estrangeiros e a imprensa.

Mas quem somos? O que é Hollywood? Só um monte de gente de outros lugares. Eu nasci e cresci nas escolas públicas de Nova Jersey, Viola veio da Carolina do Sul, Sarah Paulson nasceu na Flórida e foi criada pela mãe solteira no Brooklyn, Sarah Jessica Parker é uma das sete ou oito crianças de Ohio, Amy Adams nasceu em Vicenza, na Itália, e Natalie Portman nasceu em Jerusalém.

Onde estão suas certidões de nascimento? Ruth Negga nasceu na Etiópia, foi criada na Irlanda e está aqui indicada pelo papel de uma jovem da Virginia. Ryan Gosling, como todas as pessoas boas, é canadense.

E Dev Patel nasceu no Quênia, cresceu em Londres e está aqui indicado pelo papel de um indiano criado na Tasmânia. Então Hollywood está rastejando com os estrangeiros, e se mandarmos eles para fora, só assistiremos futebol e MMA. E isso não é o que a arte deve ser”.

Para concluir citou uma frase dita por Carrie Fisher, a princesa Leia de Star Wars: “Pegue seu coração partido e o transforme em arte“.

Donald Trump respondeu nas redes sociais atacando a atriz, trazendo o tema para a política dizendo que ela uma apoiadora de candidata derrotada.

Meryl Streep participou de filmes marcantes e eternos, por exemplo: Kramer vs. Kramer de 1980, O Diabo Veste Prada de 2006, A Dama de Ferro de 2011, As Pontes de Madison de 1995, Música do Coração de 1999, Júlia de 1977, A Mulher do Tenente Francês de 1981,entre outros.

Fonte Imagens: BBC e O Globo

Deixe seu comentário: