QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Mediunidade é a faculdade humana, natural qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos.” Centenário de J. Herculano Pires

Artigos

O espírita e o ‘bolsa-evangelho’

Enviado em 31 de dezembro de 2014 | No programa: Mutirão | Escrito por Franklin Felix | Publicado por Rádio Boa Nova

– Gente! A filha da minha vizinha, que trabalha com uma desembargadora, amiga do ministro, aquele lá que casou com uma moça vinte anos mais nova, sabe? Ela disse que será criado um novo programa de transferência de valores humanos e fraternos, o bolsa-evangelho, dizem que vai se assemelhar ao bônus-hora, mas que será usado ainda na vida física, nesta encarnação. Se é verdade eu não sei, mas é bom compartilhar antes que os comunistas tomem o poder!

Se você é desses/as, que compartilham informações, mesmo sem saber a sua veracidade, esse texto é para você. Se você não se enquadra nesse perfil, leia assim mesmo, vai que precise reforçar seus argumentos.

Em tempos de internet e, mais especificamente, de redes sociais, as pessoas tendem a saber de tudo, ter opinião sobre tudo, divagar sobre todos os assuntos e se tornam ‘especialistas’ em todas as temáticas, sob o risco, invigilante, de se exporem e se tornarem intolerantes e preconceituosos/as.

Antes de divulgarmos qualquer informação, passemos pelos crivos da verdade, da bondade e da utilidade.

Temos recebido relatos de inúmeras pessoas, sobre a postura de alguns/algumas ‘espíritas’, ‘famosos’ e ‘anônimos/as’, ‘dirigentes’ ou ‘frequentadores/as’ de casas espíritas, sobre a disseminação de ódio, intolerância e xenofobia[1].

Nossa postura tem sido sempre na tentativa de conciliar e mostrar que as pessoas podem se equivocar, já que são humanas e, portanto, falhas.

É interessante lembrar que a doutrina espírita, codificada por Allan Kardec[2] e disseminada no Brasil em meados do século XIX, teve suas primeiras manifestações mediúnicas na Bahia e de lá partiram grandes lideranças, umas empenhadas na divulgação da Boa Nova nas Terras do Cruzeiro, outras, mais interessadas em recompensas e reconhecimentos. Vaidosos/as, que sucumbiram pelo caminho!

Ainda no nordeste, ampliaram-se as ações espíritas, mas foi no sudeste, que o espiritismo ganhou força, de modo a ser organizado em áreas federativas[3], a partir da ideia de ‘botar ordem’ no movimento[4].

O Espiritismo não possui nenhum tipo de sacerdote, nem hierarquia formal. A hierarquia que pode existir é a hierarquia moral, onde alguém recebe notoriedade pelos exemplos e sua conduta moral. O Espiritismo tem seus fundamentos estabelecidos em cinco obras chamadas de Pentateuco[5], todas codificadas por Allan Kardec com a ajuda dos Espíritos Superiores e que tocam em questões importantes da humanidade. Devido à profundidade que o Espiritismo tomou, Kardec o definiu como uma doutrina com aspecto tríplice: Filosófico, Científico e Religioso.

Até aqui, entenderam onde gostaríamos de chegar?

Não há, como em outras religiões e comunidades de fé, lideranças hierarquicamente estabelecidas, como um papa, por exemplo (se bem que nós até ficaríamos bem felizes em ter esse novo Papa da Igreja Católica como liderança).

Temos sim, respeitados/as dirigentes que, imbuídos/as pelo desejo de manter a doutrina espírita como um farol da nova era, sem proselitismo (pelo menos assim deveria ser), se dedicam a sua manutenção, administração e propagação.

Mas, o espiritismo não é e nem pretende ser o detentor das verdades absolutas, tampouco as suas lideranças. Costumamos dizer que devemos seguir a doutrina dos ‘espíritos’ e não a doutrina dos ‘espíritas’.

Partindo dessa ideia, cada qual responde pelas suas atitudes, prestando conta, com sua própria consciência, pelo bem ou mal que praticam, por meio de atitudes ou palavras.

A seguir, tomamos a liberdade de compartilhar um relato que recebemos de uma companheira aflita (assim como nós), pelos rumos tomados por esses/essas ‘representantes’ do espiritismo:

‘Sou Espírita moro em (…), abro meu coração com grande tristeza aos irmãos mais esclarecidos, com grande pesar. Tenho constatado que muitos espíritas, inclusive alguns que têm programas (…), têm postado  manifestações de preconceito com xingamentos, chamando outros de idiotas e burros, usaram termos como “fabricante de filhos vagabundos”! Pessoas que são espíritas podem manifestar apoio a seu candidato, mas por conhecer as leis divinas e humanas, jamais poderiam destilar esse ódio. Estou com vergonha de dizer que sou espírita! Pois muita gente está falando isso aqui no meu centro, trabalhadores da casa, ontem, passavam uma lista de impeachment incitando mais ódio! Será meu irmão que ninguém, nem a Federação pode ajudar a parar esses irmãos? Vamos trabalhar por um ESPIRITISMO MAIS CRISTIANIZADO!!!! GRATIDÃO, FOI UM DESABAFO DE TRISTEZA! DEUS ABENÇOE MUITA LUZ!!!!’

O desabafo de nossa companheira joga luzes a um velho sentimento conhecido nosso desde os primórdios da humanidade: a raiva!

Sem dúvida, um dos grandes desafios de se estar no mundo é saber priorizar a coerência doutrinária e o elevado padrão moral e não se perder em nosso lado mais sombrio e bestializado.

Como não pulular no Brasil ódio e intolerância? Como manter elevado padrão vibratório diante da nova era? Como ser promotor/a do amor redivivo? Como colocar em prática aquilo que pregamos? Como rogar, com amor e generosidade para nossos políticos, mesmo que não tenham sido aqueles/as em quem votamos?

Nós do Mutirão, um movimento criado para defender a bandeira dos direitos humanos dentro do espiritismo, fortalecendo um diálogo ecumênico[6] e a manutenção de um estado laico[7], temos convidado as pessoas a se posicionarem, a tomarem partido, a descerem do muro, a se incomodarem com as mazelas sociais, a se mobilizarem contra toda forma de opressão e ódio (racismo, machismo, homo-lesbo-transfobia e redução da maioridade penal) pela melhora do sistema penitenciário, no posicionamento a favor da desmilitarização da polícia e política, pelo direito das mulheres, contra a xenofobia, pois cremos ser esta a forma de praticar o evangelho de Jesus.

Temos convidado espíritas a olharem além do muro de seus centros (físicos e simbólicos) e tomarem as ruas, onde há muita gente precisando de conforto e apoio de toda natureza.

Nós temos um posicionamento: não concordamos com a redução da maioridade penal. Acreditamos trata-se de um aborto social, já que se abre mão desses seres ainda em estado de transformação e mudança, carecendo de apoio, e simplesmente defende-se o encarceramento como forma de combate aos problemas sociais, criminalizando mais ainda a pobreza.

Além disso, entendemos serem importantes os programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, já que somos conhecidos por nossas ações caritativas de sopão e Campanhas de Fraternidade (Campanha Auta de Souza[8], do Quilo, do agasalho)? Será que mudaria algo se soubéssemos que o amado Chico, em conversa ao pé-do-ouvido com Lula, solicitara que se fizesse um programa nacional para combater a fome e a miséria? Se nossa resposta for sim, tenhamos mais cuidado, pois estamos nos tornando fanáticos/as religiosos/as, que só reconhecemos méritos quando esses estão intrinsecamente relacionados à nossa religião.

Cremos que o verdadeiro governante da Terra, Jesus, com o auxílio do Anjo Ismael[9], tem nos encaminhado a um estado de perfeição, atuando de forma a conduzir, intuir e aconselhar e que nosso pensamento e vibração são capazes de transformar a psicoesfera e a energia brasileira.

Por isso, desejamos à presidenta, legitimamente eleita, força e serenidade para lidar com questões de tamanha importância para o desenvolvimento do país.

Como podemos esbravejar contra o/a nosso/a semelhante, criados/as da mesma forma que nós, como princípios inteligentes, simples e ignorantes, seja ele/a pobre ou rico/a, nordestino/a ou sulista, hetero ou gay, homem ou mulher, negro/a ou branco/a, religioso/a ou ateu/ateia?

Você já procurou se informar a quantidade de gays mortos no Brasil só por que resolveram amar um/a igual? Já pensaram que, a exemplo dos ‘judeus durante o nazismo’, gays, nordestinos, negros/as, detentos/as, estão tendo seus direitos violados?

Acreditamos ser a maior riqueza nacional a diversidade e o colorido de nosso povo, por isso valorizamos cada traço dos muitos estados que compõem esta federação, do Oiapoque ao Chuí, e engrandecem o país como um todo, de forma a rejeitar qualquer idéia de divisão.

Queremos deixar claro, com este manifesto, que muito embora – particularmente – tenhamos adotado um posicionamento político-partidário ao longo das eleições, acima de cada pensamento e ação individual estão os propósitos de servir o Bem, vivenciando os ensinamentos do Cristo e auxiliando na evolução do planeta Terra – a começar pela de “nossa casa”. Reconhecemos a nossa falibilidade, enquanto espíritos em evolução, e desta convocamos a todos/as para que trabalhemos juntos/as, fortalecendo a fé e também trabalhando pelo nosso desenvolvimento particular.

Amados/as irmãos/as: unamo-nos em oração e vibrações de amor para que o nosso querido Brasil, terra abençoada por Deus e bonita por natureza, seja sempre um celeiro de paz e justiça social!

Oremos pela presidenta eleita e pelo candidato derrotado, que certamente, querem o melhor para nossa pátria.

Que possamos nos incomodar, sim, nos indignar, sim, mas sem promovermos uma verdadeira desordem no país e no coração dos nossos/as semelhantes!

Que possamos, ao retornar para as colônias celestiais, verdadeira morada do espírito, prestar conta das nossas boas atitudes e feito o apóstolo Paulo, ter combatido o bom combate, terminado a carreira, guardando a fé, em Deus e no nosso semelhante.

Que possamos antes de fazer a nossa oferta, reconciliarmo-nos com os/as nossos/as adversários/as.

Que a máxima cunhada por Kardec, ‘Fora da caridade não há salvação’, seja ampliada para os novos tempos e entendamos de uma vez por todas que ‘Fora da justiça social não há salvação’.

Que possamos abrir nossas mentes e nossos corações às verdades celestiais e ajudarmos na construção de um Brasil mais justo, igualitário e inclusivo.

‘Fico triste quando alguém me ofende, mas,

com certeza, eu ficaria mais triste se fosse eu o ofensor…

Magoar alguém é terrível!’

Chico Xavier

 

Para saber mais sobre nós:

Espiritismo e direitos humanos: https://www.facebook.com/espiritismoedireitoshumanos?fref=ts

Mutirão: Todo sábado, às 10h30, na Rede Boa Nova de Rádio, 1450 AM e www.radioboanova.com.br

Rede Ecumênica da Juventude – REJU: http://www.redeecumenicadajuventude.org.br/

 

Para não pagar mico:

Quanto o bolsa família custa para o seu bolso? http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/caixa-zero/quanto-o-bolsa-familia-custa-para-o-seu-bolso/

Ipea: cada R$ 1 gasto com Bolsa Família adiciona R$ 1,78 ao PIB: http://www.valor.com.br/brasil/3305466/ipea-cada-r-1-gasto-com-bolsa-familia-adiciona-r-178-ao-pib

Bolsa família, 75,4% dos beneficiários estão trabalhando: http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2014/05/bolsa-familia-75-4-dos-beneficiarios-estao-trabalhando

Bolsa família – mitos: http://m.brasildamudanca.com.br/bolsafamilia/mitos/#home

 

[1] Xenofobia: (do grego ξένος, translit. xénos: “estranho”; e φόβος, translit. phóbos: “medo”) é o medo, aversão ou a profunda antipatia em relação aos estrangeiros; a desconfiança em relação a pessoas estranhas ao meio daquele que as julga ou que vêm de fora do seu país.

[2] Allan Kardec: Hippolyte Léon Denizard Rivail (Lyon, 3 de outubro de 1804 — Paris, 31 de março de 1869) foi um influente educador, autor e tradutor francês. Sob o pseudônimo de Allan Kardec, notabilizou-se como o codificador do Espiritismo (neologismo por ele criado), também denominado de Doutrina Espírita.

[3] Áreas federativas: por meio do Pacto Áureo, em 1949, a FEB reestruturou o seu órgão federativo e com base nesse documento, firmado com Entidades Federativas Estaduais, passou a ser integrado por Entidades representativas dos Movimentos Espíritas dos Estados do Brasil, adotando o nome de Conselho Federativo Nacional.

[4] História do espiritismo no Brasil: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_espiritismo_no_Brasil

[5] Pentateuco (Obras básicas): “O Livro dos Espíritos” lançado em 1857, “O Livro dos Médiuns – ou Guia dos Médiuns e dos Doutrinadores” lançado em 1861, “O Evangelho Segundo o Espiritismo” lançado em 1864, “O Céu e o Inferno – ou Justiça Divina Segundo o Espiritismo” lançado em 1865 e “A Gênese – os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo” lançado em 1868.

[6] Ecumenismo: é o processo de busca da unidade. O termo ecumênico provém da palavra grega οἰκουμένη (oikouméne), designando “toda a terra habitada”. Num sentido mais restrito, emprega-se o termo para os esforços em favor da unidade entre igrejas cristãs; num sentido lato, pode designar a busca da unidade entre as religiões.

[7] Estado laico: um Estado secular ou estado laico é um conceito do secularismo onde o poder do Estado é oficialmente neutro em relação às questões religiosas, não apoiando nem se opondo a nenhuma religião.

[8] Campanha da Fraternidade Auta de Souza: é um dos instrumentos de que se valem os Centros Espíritas para a realização da assistência social e a propagação do Evangelho de Jesus. É ela um componente de um todo, para um objetivo único – a prática da caridade, material, moral e espiritual.

[9] Anjo Ismael: Guia Espiritual do Brasil.

Deixe seu comentário: