QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Um dos aspectos notáveis da evolução espiritual humana é que todos os doentes da alma se tornam médicos por sua vez.” Bezerra de Menezes

Artigos

O Terrorismo e a Caridade Cristã

Enviado em 26 de abril de 2016 | No programa: Espiritismo e Segurança Pública | Escrito por Bismael Moraes | Publicado por Juliana Chagas

Quatro homens com roupas de guerra com helicóptero ao fundoDe alguns anos a esta parte, depois de guerras mundiais, regionais e bilaterais, muitas delas por interesses egoísticos de conquista e outras tantas como busca por afirmação de superioridade entre as nações, todas, em verdade, envolvendo a ignorância, o orgulho e a vaidade dos seres humanos terrenos, ditos seres pensantes e que, em sua imensa maioria, estufam o peito em nome de suas religiões e seus deuses, apareceu essa insanidade chamada de terrorismo, formada por pessoas obsediadas e já em estado de subjugação!

São indivíduos que, anestesiados por suas crenças e arraigados em seus costumes, ainda não descobriram o significado da fraternidade e do perdão, e nem imaginam quantas outras vidas de resgate os esperam, para que aprendam o verdadeiro caminho do progresso espiritual, deixando por terra a maldade e investindo no amor.

A esses “líderes do mal”, que ainda não descobriram o verdadeiro amor, quando lhes faltam impiedosos matadores, para as tarefas sangrentas a que se propõem, em regra, chegam-lhe às mãos o auxílio de milhões de dólares de muitos produtores de petróleo e de seus simpatizantes do mundo árabe.

Com isso, contratam mercenários de várias partes do planeta, especialmente os mais jovens e fisicamente bem preparados, que gostam de aventuras perigosas, geralmente fluentes em inglês ou francês, que sejam frios e insensíveis ante a dor alheia, e os preparam para o manuseio de potentes armas de fogo e poderosas bombas, que ocasionam a destruição de veículos, prédios e monumentos históricos da humanidade, aí, também, ceifando vidas inocentes de homens, mulheres e crianças, deixando o rastro de sangue e de lágrimas por onde passam.

Depois dos ataques do terrorismo em Nova York, nos Estados Unidos, bem como em Madrid, em Londres, em Paris e em Bruxelas, na Europa, e em algumas nações africanas, Chefes de Estado e outras autoridades de vários países da Terra têm se reunido para a organização de esquemas adequados à segurança contra esses grupos sanguinários e impiedosos que praticam atos de terror de maneira calculada e sub-reptícia.

A verdade é que, por motivos político-religiosos e seus fanáticos radicais, mesmo entre os cristãos, há registros de conflitos e até de breves atentados terroristas, como ocorria até recentemente nas Irlandas, junto ao Reino Unido: – Irlanda do Norte, de maioria protestante, tendo Belfast por Capital, e Irlanda do Sul  ou República da Irlanda, tendo Dublin com o Capital, de maioria católica. Isso, sem contar os crimes ocorridos na Idade Média, quando os mouros muçulmanos invadiram a Europa católica, e as autoridades religiosas ocidentais que pretenderam impor o cristianismo aos árabes recém-chegados, que tinham seus costumes e sua crença, chamando-os de hereges e ateus.

Espiritismo cristão

Mas, a propósito dos atuais terroristas inclementes, como deve se posicionar o Espiritismo cristão ante o ensinamento do Cristo, que ordena devamos amar aos nossos inimigos? Devemos concordar com eles, independentemente dos atos violentos que praticam e das mortes indiscriminadas que, dolosamente, cometem? Como espíritas cristãos, conhecedores que somos das diretrizes dos mentores do bem e da importância da fé raciocinada (não apenas decorada e repetida), não esqueçamos da lição evangélica de  que “a cada um será dado segundo o seu merecimento”. Assim, vejamos.

O bom senso nos mostra ser evidente que todo ser humano encarnado que, por sua crença deformada, por fanatismo impensado, aja por força do dinheiro ou pelo simples desejo de causar sofrimento ou morte ao semelhante, é um espírito obtuso, grosseiro, atrasado, que ainda não aprendeu a distinção entre o bem e o mal.

Em “O Livro dos Espíritos”, de Allan Kadec, no Capítulo VII, ao tratar da Lei do Progresso, na questão 780-a, ele pergunta: “Como o progresso intelectual pode conduzir ao progresso moral?”  E vem a resposta do mentor espiritual: – “Dando a compreensão do bem e do mal, pois então o homem pode escolher. O desenvolvimento do livre-arbítrio segue-se ao desenvolvimento da inteligência e aumenta a responsabilidade do homem pelos seus atos”. E o mentor acrescenta, respondendo à questão que se segue: “A moral e a inteligência são duas forças que não se equilibram senão com o tempo”.

Por sua vez, “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, também de Allan Kardec, no Capítulo XII, no item 6, quando trata dos inimigos desencarnados, é textual: “Os inimigos do mundo invisível manifestam a sua maldade por meio das obsessões e subjugações”. (…) Dada a natureza inferior do globo terrestre, “se não existissem homens maus na Terra, não haveria Espíritos maus ao seu redor”.

Logo se pode notar, usando corretamente da razão de que somos dotados, que cada integrante daquelas perigosas quadrilhas ou  insensíveis bandos de terroristas, tanto na preparação como na execução dos seus atos macabros, está  na fase mais adiantada do processo obsessivo: por sua imprecaução, enleados por suas crenças, por seu egoísmo e sua vaidade, nem percebem que se  acham  subjugados por Espíritos malfeitores, dos quais não conseguem se libertar.

Precisam das nossas preces sinceras em seu favor, para que acordem para a vida, sabendo que responderão pelos seus atos perante a Lei dos Homens e, se dessa escaparem, não escaparão da Lei de Deus, ainda nesta ou em futuras reencarnações.

Se, em verdade, somos espíritas cristãos, por certo devemos ter o Cristo como modelo e seguir as suas lições de paz, fraternidade e perdão. O segredo é simples: orar e vigiar, evitando o desejo de vingança, que é sintoma certo do estado atrasado em que nos encontramos. Não podemos jamais concordar com o mal, pois só devemos querer para o nosso semelhante o que, naturalmente, queremos para nós mesmos.

Conclusão

Por fim, intriga-nos em todos esses atentados terroristas, com resultados funestos e perdas de vidas humanas e destruição do bem comum, o silêncio sepulcral dos integrantes dos Três Poderes do Estado – Executivo, Legislativo e Judiciários – de todos os governos da Terra, bem como dos chamados órgãos de comunicação de massa, no que tange às armas de fogo, as munições, as bombas e demais explosivos utilizados pelos terroristas… Quais são os seus fabricantes e vendedores e a que países pertencem?

Encerramos estas observações sobre os mentores e executores do terrorismo, cientes de que todos eles são Espíritos ignorantes e obsedados.

Assim, com base no livro “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, de Allan Kardec, o final da prece nº 81 se faz oportuna, neste momento: “Em todo caso de obsessão, a prece é o mais poderoso auxiliar para agir contra o Espírito obsessor”. Oremos, pois: “Senhor, permita lançar um olhar de bondade sobre os Espíritos imperfeitos, que estão ainda nas trevas da ignorância e te desconhecem, principalmente sobre” as almas dos atuais terroristas terrenos, para que aprendam o verdadeiro significado do amor e do perdão, aplicando-o no seu dia a dia e contribuindo para a paz de todos os seres humanos.

 

Foto ilustrativa: pexels.com

Deixe seu comentário: