QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Antes de tudo precisamos entender que nada sabemos. Então, estaremos conscientes de nossa ignorância e capazes de aprender.” Centenário de J. Herculano Pires

Artigos

Os Príncipes e as Potestades

Enviado em 30 de abril de 2015 | No programa: Além do Arco-Íris | Escrito por Richard Simonetti | Publicado por Rádio Boa Nova

Confira a entrevista sobre meu novo livro “Contra os Príncipes e as Potestades”, que gira em torno de um grupo mediúnico atacado por espíritos obsessores. Será lançado em maio.

1 – Qual o significado do título Contra os Príncipes e as Potestades, de seu romance que está sendo lançado?Contra Príncipes e as Potestades

Ele nos remete a uma observação de Paulo, na epístola aos Efésios (6:12), advertindo os cristãos de que deveriam enfrentar forças poderosas do mundo físico e do mundo espiritual, devotadas ao mal.

2 – O Espiritismo também enfrenta essas forças?

Qualquer movimento social ou religioso voltado para o Bem enfrentará sempre pressões dessa natureza, da parte de Espíritos que se comprazem em estabelecer domínio sobre os homens.

3 – Não são filhos de Deus os Espíritos voltados ao mal?

Somos todos filhos de Deus. Espíritos dessa natureza, que a teologia tradicional situa como seres demoníacos, são apenas filhos transviados de Deus, que mais cedo ou mais tarde retornarão aos roteiros do Bem, porquanto essa é a vontade do Criador, que não falha jamais em seus objetivos.

4 –  Por que na Terra parecem prevalecer os maus?

É mera impressão. Multidões, não obstante suas fraquezas, estão cuidando de suas vidas, respeitando as leis e a ordem. Uma minoria, por imaturidade, vincula-se ao mal. Faz barulho, chama atenção, como músicos desafinados de uma orquestra.

5 –  O livro descreve os processos usados por esses Espíritos para perturbar os movimentos religiosos?

Exatamente. O romance reporta-se a um grupo que quer acabar com uma reunião mediúnica, num Centro Espírita, considerando que ela contraria seus interesses. Ressalte-se, porém, que essa temática interessa a qualquer pessoa que deseja compreender como atuam os “demônios”, mais exatamente, nossos irmãos comprometidos com o mal.

6 –  Essas entidades movem agressões e desajustes perturbadores?

Isso é ação para entidades de pouca habilidade na arte de perseguir as criaturas humanas. Espíritos que desejam afastar os servidores do Bem simplesmente os analisam durante meses, identificam seus pontos fracos e literalmente “dão o bote”. Fica difícil resistir.

7 –  Poderia dar um exemplo?

É muito comum que nos círculos religiosos ocorram envolvimentos passionais entre participantes com compromissos familiares. Incorrem em adultério, comprometem-se moralmente e perdem a condição para continuar atendendo aos ideais religiosos. Há sempre um dedinho de Espíritos perturbadores, estimulando fantasias nos envolvidos. Casos graves envolvem até mesmo líderes religiosos, em casos graves de pedofilia, como se têm observado.

8 –  Podemos considerar, assim sendo, que qualquer pessoa, de qualquer religião, que busque uma conduta reta e digna, estará sujeita a essa influência?

Sim e não é novidade. Desde as culturas mais antigas temos notícia de seres demoníacos buscando perturbar e transviar as criaturas humanas.

9 – Contra os Príncipes e as Potestades seria, portanto, um livro de caráter universal, capaz de interessar ao adepto de qualquer religião?

Sem dúvida, considerando que somos rodeados por uma nuvem de testemunhas, como dizia o apóstolo Paulo, reportando-se a multidões de Espíritos que convivem conosco no plano físico, em grande maioria interessados em nos perturbar e dominar.

10 – Como evitar essas influências?

Aprendemos com o Espiritismo que praticando o Bem e confiando em Deus estaremos seguros, afastando entidades mal intencionadas e fazendo por merecer a proteção dos Espíritos bons, ou dos anjos da guarda, como muitos os denominam.

Serviço

O romance “Contra os Príncipes e as Potestades” é publicação da CEAC Editora, de Bauru, telefone (14) 3227-0618.

Acesse o site da loja virtual.

E-mail: editoraceac@ceac.org.br

Deixe seu comentário: