QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“De nada adianta crer, se sua crença não o faz dar sequer um passo na senda do progresso.” Allan Kardec

Artigos

Psicografia indireta

Enviado em 9 de outubro de 2017 | Escrito por Cláudio Palermo | Publicado por Rádio Boa Nova

PSICOGRAFIA (do grego psyché, alma, e graphô, eu escrevo) – transmissão do pensamento dos Espíritos por meio da escrita, pela mão de um médium. No médium escrevente a mão é o instrumento, mas sua alma, ou o espírito nele encarnado é o intermediário ou o intérprete do Espírito estranho que se comunica.

Os estudiosos da Doutrina Espírita sempre se referem a psicografia como sendo o tipo de mediunidade mais confiável e interessante para análise do conteúdo enviado pelo mundo espiritual.

Dentro destes aspectos existe um outro tipo de psicografia muito mais interessante ainda, é a Psicografia Indireta.

Kardec explica sobre esta mediunidade no Livro dos Médiuns:

“A Ciência Espírita progrediu como todas as outras e mais rapidamente que as outras. Porque apenas alguns anos nos separam dos meios primitivos e incompletos que chamávamos, trivialmente, de mesas falantes e já podemos comunicar-nos com os Espíritos tão fáceis e rapidamente como os homens entre si. E isso pelos mesmos meios: a escrita e a palavra.

A escrita tem sobretudo a vantagem de demonstrar de maneira mais material a intervenção de uma potência oculta, deixando traços que podemos conservar, como fazemos com a nossa própria correspondência.

A escrita obtida dessa maneira nem sempre é muito legível, pois as palavras não ficam separadas, mas o médium, por uma espécie de intuição, facilmente a decifra.

O médium pondo os dedos na borda da cesta todo o aparelho se agita e o lápis escreve como no caso anterior, com a diferença de produzir uma escrita mais legível, separando as palavras e em linhas paralelas como geralmente se escreve, porque o médium pode facilmente voltar o lápis no fim de cada linha. Dessa maneira obtemos dissertações de muitas páginas,tão rapidamente como se escrevêssemos à mão.

Dessa maneira, toda pessoa que escreve com a cesta, a prancheta ou outro instrumento, pode também escrever diretamente.

Como se vê, o que importa conhecer não é o instrumento, mas a maneira de obtenção das comunicações. Se as obtemos pela escrita, seja qual for o suporte do lápis, trata-se de psicografia; se pelas pancadas, de tiptologia. O Espiritismo, tomando as proporções de uma Ciência, necessita de uma linguagem científica.”

PSICOGRAFIA INDIRETA: Chamamos psicografia indireta à escrita assim obtida (com o auxílio de cesta-pião, cesta de bico, mesa pequenina, prancheta, etc..) em contraposição à psicografia direta ou manual, obtida pelo próprio médium.

Na época de Kardec ainda tinha muito deste tipo de mediunidade, era necessário para chamar a atenção das pessoas e principalmente dos primeiros pesquisadores espíritas, hoje em dia é dificil ter alguma casa espírita ou local que produza este tipo de fenômeno. Com o passar do tempo o movimento espírita adotou a psicografia direta como a melhor forma de falar com a Espiritualidade Maior!

Deixe seu comentário: