QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Um dos aspectos notáveis da evolução espiritual humana é que todos os doentes da alma se tornam médicos por sua vez.” Bezerra de Menezes

Artigos

Que tal acompanhar as nossas Dicas da Semana?

Enviado em 29 de janeiro de 2016 | No programa: | Escrito por Vanessa Cavalcanti | Publicado por Juliana Chagas

Mensagem espírita, poesia e uma deliciosa receita vegetariana você confere aqui!

Participe! Envie as suas dicas pelo e-mail: ouvinte@radioboanova.com.br

Depoimento de Ouvinte

Lurdimar Bezerra: Felicitações por mais um ano de trabalho. Agradeço por todas as vezes que recorri a vocês e fui muito bem atendida. Aviso que vou continuar importunando vocês nesta temporada de 2016. Abraço a equipe.

Receita

grao de bicoEstrogonofe de Grão-de-Bico

Ingredientes:

  • 4 dentes alho picados
  • 1/2 xícara (de chá) de cebola picada
  • 1 xícara (de chá) de grão de bico cru
  • 100g cogumelos frescos fatiados
  • 1 e 1/2 xícara (de chá) de molho tomate
  • 1 xícara (de chá) de leite de amêndoas
  • 2 colheres (de sopa) de mostarda
  • 1/2 xícara (de chá) de leite de amêndoas misturada com 2 colheres (de sopa) de amido de milho
  • 6 folhas de manjericão grandes picadas
  • 1 xícara (de chá) de salsinha e cebolinha picadas
  • Pimenta do reino moída a gosto

Modo de Preparo:

Em uma vasilha, coloque o grão de bico cru, cubra com o dobro de água e deixe de molho por 8 horas. Escorra, lave bem e coloque em uma panela de pressão. Cubra com dois dedos de água e deixe cozinhar em fogo médio por 5 minutos depois que pegar pressão e desligue. Escorra e reserve.

Em uma panela grande e em fogo médio, coloque um fio de óleo e refogue o alho picado e a cebola picada até ficarem levemente dourados. Acrescente o grão de bico cozido, os cogumelos fatiados, tempere com sal a gosto e refogue por cerca de 1 minuto, até o cogumelo ficar levemente macio.

Adicione o molho de tomate, 1 xícara do leite de amêndoas, misture, abaixe o fogo e deixe cozinhar por 5 minutos.

Quando estiver fervendo, acrescente a mostarda, o leite de amêndoas misturado com o amido de milho e deixe engrossar. Adicione as folhas de manjericão, a salsinha e cebolinha picadas, misture e se gostar coloque pimenta do reino a gosto.

 

Fonte: http://presuntovegetariano.com.br/receitas/vegan/estrogonofe-de-grao-de-bico/

Mensagem

amor

“Permaneça o amor fraternal.” — PAULO (Hebreus, 13.1)

As afeições familiares, os laços consanguíneos, as simpatias naturais podem ser manifestações muito santas da alma, quando a criatura as eleva no altar do sentimento superior, contudo, é razoável que o espírito não venha a cair sob o peso das inclinações próprias.

O equilíbrio é a posição ideal.

Por demasia de cuidado, inúmeros pais prejudicam os filhos.

Por excesso de preocupações, muitos cônjuges descem às cavernas do desespero, defrontados pelos insaciáveis monstros do ciúme que lhes aniquilam a felicidade.

Em razão da invigilância, belas amizades terminam em abismo de sombra.

O apelo evangélico, por isto mesmo, reveste-se de imensa importância.

A fraternidade pura é o mais sublime dos sistemas de relações entre as almas.

O homem que se sente filho de Deus e sincero irmão das criaturas não é vítima dos fantasmas do despeito, da inveja, da ambição, da desconfiança.

Os que se amam fraternalmente alegram-se com o júbilo dos companheiros; sentem-se felizes com a ventura que lhes visita os semelhantes.

As afeições violentas, comumente conhecidas na Terra, passam vulcânicas e inúteis.

Na teia das reencarnações, os títulos afetivos modificam-se constantemente.

É que o amor fraternal, sublime e puro, representando o objetivo supremo do esforço de compreensão, é a luz imperecível que sobreviverá no caminho eterno.

 

Livro Pão Nosso – Chico Xavier

Poesia

Deus em Toda Parte

Eu vejo Deus em toda parte
Abençoando o céu, a terra e o mar
A natureza em flor, proclama o esplendor
Da sua glória e a grandeza do seu amor.

No amanhecer o sol risonho
Envolve em luz a terra enternecida
Os passarinhos cantam seus hinos de louvor
E em doce enlevo, minh’alma vibra comovida.

No entardecer, o sol poente
Tinge de cores o céu no horizonte
E preces vão subindo falando ao coração
Quanta beleza! Eu vejo Deus na imensidão.

A flor que nasce, a gota d’água
A voz da brisa e a fonte a murmurar
Falam de Deus – Amor! De Deus que é o autor
Da minha vida e da minh’alma agradecida.

Eu vejo Deus a reger mundos no céu
E nas nuvens sempre ao léu
Mil imagens desenhando.

Eu vejo Deus no olhar da mãe que amamenta
E na haste que sustenta
Uma flor desabrochando…

 

João Cabete
Hinário do Grupo Espírita João Cabete

 

Fotos ilustrativas: http://morguefile.com/

Deixe seu comentário: