QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“A caridade dos Céus é fonte que não se esgota.” Auta de Souza

Artigos

Rótulo de Espírita

Enviado em 17 de setembro de 2013 | No programa: Desafios e Soluções | Escrito por Mário Mas | Publicado por Rádio Boa Nova

Código de barras com numeração de dois a cincoNo atual estágio de evolução do planeta, as velhas fórmulas hipócritas de se dizer religioso e garantir um olhar social de honradez não funcionam mais. O discurso e a aparência de honrado, bondoso, ético não engana mais ninguém, esse subterfúgio esgotou-se.

Conhecer o Espiritismo, fazer curso, trabalhar na seara espírita não é garantia de mudança da personalidade, ou, usando uma metáfora apropriada, não se passa de homem velho para homem novo. Algumas pessoas se contentam com o rótulo de Espírita, não se importando em continuar sendo o homem velho. Justificam que ainda não é possível mudar velhos hábitos.

Respaldam seus argumentos no padrão social doentio, que inclui seus parentes e amigos, desse modo, se sentindo justificados diante do consenso social. Os extremistas ficam nas polaridades: ou querem se santificar de imediato, ou se permite ficar “como sempre foi”, não conseguem pegar o caminho do meio, ponderando que a mudança é um processo gradual. A propósito, como consta no Evangelho Segundo o Espiritismo:

Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para dominar suas más inclinações. cap. 17, item 4

O Espiritismo oferece as condições inigualáveis para a mudança pessoal e social, sensata, respeitando o grau evolutivo de cada qual, portanto não é o Espiritismo que não possui os recursos para nos ajudar na transformação pessoal.

Com essa postura incoerente, narcisista, retrógrada é natural que a pessoa fique obsediada, porque já se auto-obsedia, assimila energias doentias do seu ambiente, sai do corpo durante o sono e vai para regiões inferiores, atrai pessoas perigosas, favorece acidentes de percurso…

Finalizando as reflexões, no livro Mediunidade: desafios e bênção, p. 27 Manoel P. de Miranda disserta:

Travaram contato com a revelação espírita, participaram dos memoráveis eventos espirituais do intercâmbio mediúnico, porém não modificaram a visão sobre si mesmos ou a sua conduta, tornando-se parasitas no grupo social ou belas personalidades aplaudidas nos cenários do mundo, mantendo a individualidade atormentada e venal, que não modificou a forma de ser ou de comportar-se.

Deixe seu comentário: