QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Um dos aspectos notáveis da evolução espiritual humana é que todos os doentes da alma se tornam médicos por sua vez.” Bezerra de Menezes

Artigos

Ser diferente não é fácil

Enviado em 26 de dezembro de 2016 | No programa: Mereça Ser Feliz | Escrito por Maria José Costa | Publicado por Juliana Chagas

Tô angustiada e não consigo parar de chorar. Sabia que não seria fácil, mas não imaginava que os problemas queBonecos de menina e menino teria de enfrentar seriam tão grandes assim. Mesmo agora, com meus dezesseis anos e já tendo conquistado tanto.

Acabei de sair da sala da diretora da escola e não sei como reagir diante do pedido que ela me fez. Achei que o assunto tava resolvido. Fui impedida de frequentar o banheiro das meninas. Ela disse que um banheiro seria colocado à minha disposição, até que tudo se resolvesse.

A escola recebeu outro abaixo-assinado de um grupo de pais evangélicos, com 73 assinaturas, solicitando que eu fosse proibida de usar o banheiro feminino, pedindo que eu voltasse a frequentar o banheiro masculino ou que um terceiro banheiro fosse disponibilizado. Cá pra mim, eu acho que eles têm medo de que eu dê em cima de suas filhas. Nem morta!

Eu tô nesta escola há quatro anos e não entendo porque este problema apareceu de novo. Da outra vez, há dois anos, a diretora explicou que o outro abaixo-assinado foi encaminhado pela escola pra Assessoria Pedagógica Municipal que levou o caso pro Ministério Público do Estado. O Ministério deu permissão pra eu usar o banheiro feminino.

A situação ficou mais fácil depois que eu deixei de usar o banheiro masculino onde, quase todos os dias, havia algum aluno besta querendo me passar a mão, só pra me zoar. Ao saberem disto, minhas amigas me convidaram pra usar o banheiro feminino e, com a concordância da diretora e dos professores, tudo foi resolvido e os problemas diminuíram pra caramba.

Agora, a novidade era a de que algumas mães receberam queixas de suas filhas alegando que elas se sentiam constrangidas e inseguras (será?) por usarem o mesmo banheiro que uma transexual e que um terceiro banheiro deveria ser usado por quem não vê problema em compartilhar ele com os “diferentes”.

Dentro da minha família, deixar de ser menino pra ser menina foi até fácil. Meus pais deram a maior força e meus avós também. Só alguns tios deram bronca e ficaram de cara virada, mas depois de um tempo, se acostumaram. Desde cedo meus pais perceberam que seu filho se sentia filha. Com as minhas amigas não teve muito problema, eles vinham mesmo era dos meninos por não aceitarem que um garoto “escolhesse” ser garota.

Será que eles não entendem que não é uma questão de escolha? É difícil entender e aceitar que o que eu sinto é completamente diferente do que o meu corpo mostra?

Observação: Esta crônica foi construída a partir de um fato real que envolveu uma aluna da Região Nordeste de Belo Horizonte. As demais abordagens são da autora.

Transexulidade sob a visão espírita

Segundo Emmanuel, autor espiritual do livro Vida e sexo psicografado por Chico Xavier, podemos ler no capítulo 21:

“A vida espiritual pura e simples se rege por afinidades eletivas essenciais; no entanto, através de milênios e milênios, o Espírito passa por fileira imensa de reencarnações, ora em posição de femi­nilidade, ora em condições de masculinidade o que sedimenta o fenômeno da bissexualidade, mais ou menos pronunciado, em quase todas as criaturas. O homem e a mulher serão desse modo, de ma­neira respectiva, acentuadamente masculino ou acentuadamente feminino, sem especificação psicológica absoluta.”

Diante do princípio da reencarnação, o espírito em fase de mudança da experiência feminina para a masculina ou da masculina para a feminina, ao renascer na Terra, expressará inevitavelmente os traços da masculinidade ou da feminilidade que preponderam em sua personalidade em função de ter reencarnado muitas vezes naquela experiência. Ao renascer em um corpo com conformação contrária aos apelos de sua personalidade, segue o pedido irresistível da sua alma, reassumindo a postura afetiva e mental que mais prepondera em seu ser.

Essa inversão de experiências é natural e necessária para a evolução do espírito, e na maioria das vezes ocorre sem traumas, com exceção das necessidades corretivas que ocorrem em casos em que o homem que abusou da sexualidade para satisfazer seus desejos pessoais arruinando pessoas e lares e a mulher que agiu da mesma forma, são induzidos a reencarnar em novas posições, aprendendo em sistema de prisão no corpo físico a reajustar suas tendências e sentimentos.

Em outros casos, os espíritos elevados que desejam realizar missões específicas de aprimoramento pessoal e de grupos pedem aos amigos espirituais que os assistem na reencarnação, o mergulho em um corpo com estrutura diferente da qual possuem para se ocultarem temporariamente a fim de se colocarem fora do alcance dos apelos do campo afetivo, que trariam maiores dificuldades se assumissem uma vida amorosa dentro de um casamento ou fora dele.

 

Foto ilustrativa: freeimages.com

Deixe seu comentário: