QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“A alegria do próximo começa muitas vezes no sorriso que você lhe queira dar.” André Luiz

Artigos

Vista grossa

Enviado em 11 de maio de 2017 | No programa: Pensamento e Vida | Escrito por Antonio Carlos Tarquinio | Publicado por Rádio Boa Nova

Não somos muito bons em fazer vista grossa nas ocasiões em que nossos interesses sofrem algum tipo de ameaça.

Para a grande maioria, aquele que deixa passar muita coisa, ou tem o hábito de relevar erros e dificuldades alheias, se afigura como sendo fraco, para não dizer frouxo e sem personalidade – quando é justamente o contrário.

As lições do Evangelho não nos concitam ao perdão, à misericórdia?

Sim, mas a cultura em que estamos inseridos vê na pessoa benigna e complacente o antípoda do líder, do vencedor.

O estado de coisas não permite enxergar o verdadeiro teor das ações que creditamos, por ignorância, na conta das qualidades.

O excesso de severidade no trato dos desacertos e falhas dos outros não é virtude, antes denota estreiteza de espírito. A falta de generosidade e compreensão revela – naquele que assim age – incapacidade, pela intransigência que o caracteriza, de conviver harmoniosamente em sociedade.

Ora, todos somos seres incompletos. É porque temos de aprender a ver o mundo, e os que seguem caminho conosco, com os olhos da tolerância.

Se não exercitarmos mútua complacência, o que inclui perdoar as faltas alheias na exata medida que necessitamos do perdão dos outros para com as nossas, será impossível prosseguir em paz.

Aquele que leva tudo a “ferro e fogo”, acaba se dando mal na vida, porquanto o mundo dá muitas voltas, e não é raro reencontrar na estrada, em posição diferente, aqueles mesmos indivíduos que não soube desculpar, compreender.

Os danos na consciência daquele que não sabe deixar passar, condescender são imensos, a começar por não conseguir se perdoar pelos danos causados a outros – perdendo com isso a serenidade interior.

Os tiranos da consciência alheia terminam por introjetar os déspotas de si próprios.

Enfim, aprendamos a ser mais brandos e moderados nas críticas em relação aos semelhantes, lembrando que nós próprios havemos mister de brandura e comiseração para seguir o próprio caminho em paz.

Antonio Carlos Tarquínio

Deixe seu comentário: