A importância da preparação de um médium nos trabalhos mediúnicos

Os trabalhadores mediúnicos atuam na área da mediação entre a espiritualidade e o nosso mundo, de provas e expiações. O codificador da doutrina espírita, Allan Kardec, definiu o médium em dois significados.

“Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse fato, médium. Essa faculdade é inerente ao homem; não constitui, portanto, um privilégio exclusivo. Por isso mesmo, raras são as pessoas que dela não possuam alguns rudimentos.” (LM, cap. 14, item 159.)

E ainda: “médium é a pessoa que pode servir de intermediário entre os Espíritos e os homens.” (LM, cap. 32.). Esses trabalhadores atuam na sustentação espiritual com o apoio fluídico e energético. Também passam determinadas orientações dos mentores ao grupo espírita.

PREPARAÇÃO

Para fazer um trabalho mediúnico é necessário preparo físico e mental, pois quanto mais instruído o médium, mais ele não sofrerá nenhuma influência anímica ou mesmo mistificada. É importante manter-se concentrado durante todo o processo.

Além disso, a postura dos médiuns deve ser sempre moldada a atender os ensinamentos dos espíritos de luz que estão trabalhando a serviço do bem. Muitas vezes, nos encontros em casas espíritas, uma das pessoas não está numa postura respeitosa com os espíritos ali presentes. Desta forma, ela acaba excluída da sessão.

“Esse processo ocorre de forma inconsciente. A pessoa acha que está participando do grupo, mas, no fundo, ela está isolada energeticamente”, disse o comunicador e expositor espírita Claudio Palermo, em entrevista ao Boletim Espírita. O trabalhador  deve ser sincero quando estiver com algum problema.

Se o médium não estiver em condições de conduzir o auxílio à espiritualidade, deve dizer isso abertamente aos outros integrantes da reunião. Mas mesmo não dizendo, a inteligência do além é tão grande que age de forma a não prejudicar os outros participantes dos trabalhos mediúnicos.

MESAS MEDIÚNICAS ABERTAS OU FECHADAS?

Segundo especialistas, atualmente poucas casas espíritas fazem reuniões de mesas mediúnicas – médiuns que se reúnem para receber mensagens da espiritualidade. Cada casa tem a sua programação específica. Algumas são fechadas para o grande público e outras são abertas.

Na Revista Espírita, de 1861, Kardec defendeu que as reuniões em mesas mediúnicas deveriam ser fechadas.  Na época, muitos lhe propunham abrir ao público as sessões da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. Desta forma, o codificador do espiritismo sugeriu que fossem reunidos pequenos grupos para este fim, diante das diversas manifestações que poderiam chocar o público não espírita.

Fontes: Boletim Espírita e RBN.

 

Para saber mais sobre o assunto, assista:

leave a reply

WhatsApp chat