Alma dos animais, segundo Chico Xavier

alma dos animaisOs animais de estimação são como novos irmãos mais novos, que precisam de amor de carinho. E além disso, eles estão em processo de evolução, com isso, o que podemos entender sobre a Alma dos Animais?

Alma dos animais, segundo Chico Xavier

A doutrina espírita nos ensina que os animais possuem alma, porém, ela é diferente dos humanos porque está em diferentes fases evolutivas. E ainda, os animais evoluem, mas não como nós, eles evoluem pela “força da natureza”, ou seja, por situações que são alheias a sua vontade.

E segundo o médium Chico Xavier, se tratados com respeito, carinho, amor, os animais após o seu desencarne, os animais podem permanecer até 4 anos do lado de quem lhe deu amor.

“É uma forma de não sofrerem com a separação. Mas, eles voltam a ter a mesma vitalidade de quando eram filhotes”, disse Chico Xavier.

Ainda na mensagem, Chico Completou:

“Os animais diferentemente dos homens, não possuem o tempo da erraticidade (intervalo mais ou menos longo entre uma encarnação e outra). Quando morre, quase que instantaneamente sua alma ou energia vital é atraída, magneticamente e por afinidade a mais um processo de encarnação.

E completou fazendo um alerta a chamada Lei do Progresso:

“Devemos lembrar que a Lei do Progresso é um dos princípios fundamentais da doutrina espírita”.

Chico Xavier finalizou a mensagem da seguinte maneira:

“A alma de alguns animais podem, por exemplo a dos cachorros, retornar rapidamente para seu dono, através de outro que nasça”.

Portanto:

“Isso nos leva a entender que assim como nós, seres humanos, que buscamos a evolução em direção a Jesus. Também os animais buscam a evolução em direção à nós”.

E ainda, confira uma relato a respeito de Chico Xavier e sua cachorrinha, Boneca:

“Chico Xavier tinha uma cachorra de nome Boneca, que sempre esperava por ele, fazendo grande festa ao avistá-lo. Pulava em seu colo, lambia-lhe o rosto como se o beijasse.

O Chico então dizia:

– Ah Boneca, estou com muitas pulgas !!!! Imediatamente ela começava a coçar o peito dele com o focinho. Boneca morreu velha e doente. Chico sentiu muito a sua partida. Envolveu-a no mais belo xale que ganhara e enterrou-a no fundo do quintal, não sem antes derramar muitas lágrimas.

Um casal de amigos, que a tudo assistiu, na primeira visita de Chico a São Paulo, ofertou-lhe uma cachorrinha idêntica à sua saudosa Boneca. A filhotinha, muito nova ainda, estava envolta num cobertor, e os presentes a pegavam no colo, sem contudo desalinhá-la de sua manta. A cachorrinha recebia afagos de cada um. A conversa corria quando Chico entrou na sala e alguém colocou em seus braços a pequena cachorra. Ela, sentindo-se no colo de Chico, começou a se agitar e a lambê-lo.

– Ah Boneca, estou cheio de pulgas!!! Disse Chico.

A filhotinha começou então a caçar-lhe as pulgas, e parte dos presentes, que conheceram a Boneca, exclamaram:

– Chico, a Boneca está aqui, é a Boneca, Chico!! Emocionados perguntamos como isso poderia acontecer. Chico respondeu:

– Quando nós amamos o nosso animal e dedicamos a ele sentimentos sinceros, ao partir, os espíritos amigos o trazem de volta para que não sintamos sua falta. É, Boneca está aqui, sim, e ela está ensinando a esta filhota os hábitos que me eram agradáveis. Nós seres humanos, estamos na natureza para auxiliar o progresso dos animais, na mesma proporção que os anjos estão para nos auxiliar. Por isso, quem maltrata um animal vai contra as leis de Deus, porque Suas leis são as leis da preservação da natureza. E, com certeza, quem chuta ou maltrata um animal é alguém que ainda não aprendeu a amar”.

Fonte: Espiritismo da Alma

 

 

 

Por Juliana Chagas 

Jornalista e produtora da Rádio Boa Nova

leave a reply

WhatsApp chat