Amar os inimigos

Como devemos amar os inimigos? 

Primeiramente, o amor é a mais pura energia, e ainda, ele tem o poder de transformar a todos. Para completar, um dos ensinamentos de Jesus é:

Amar ao próximo como a si mesmo

Porém, hoje em dia, para muitas pessoas é muito difícil amar ao próximo, principalmente se o outro for considerado inimigo. Para muitos, é fácil amar quem nos ama, mas nunca aqueles que nos prejudica.

E ainda, os homens estão caminhando ao longo de uma estrada cercada de ódio, de rancor, de mágoa. Mas, estão sempre em busca da perfeição. Perfeição esta que consiste em amar os inimigos.  A partir disso, perguntamos: 

Por que a busca pela perfeição implica em amar os nossos inimigos?

De acordo com a comunicadora Stella Pavanelli no programa Rádio Revista André Luiz,  nós estamos aqui (Terra) em busca da perfeição, da lei do progresso. Por isso, se nós queremos a nosso perfeição, não podemos ter inimigos. 

Nós só vamos atingir a perfeição quando nosso coração estiver totalmente despojado de ódio, de rancor, de sentimentos que nos traz ou nos faz ter inimigos.

Stella completou:

Precisamos a cada dia, trazer e olhar para essa pessoa que ora seja nosso inimigo como nosso semelhante. Se a gente olhar como nosso semelhante, vamos desfazendo este sentimento ruim para com ele.

Como amar os nossos inimigos?

Allan Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo, nos apresenta a seguinte passagem:

Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam, a fim de serdes filhos do vosso Pai que está nos céus e que faz se levante o Sol para os bons e para os maus e que chova sobre os justos e os injustos. Porque, se só amardes os que vos amam, qual será a vossa recompensa? Não procedem assim também os publicanos? Se apenas os vossos irmãos saudardes, que é o que com isso fazeis mais do que os outros? Não fazem outro tanto os pagãos? (Mateus, 5:43 a 47)

Quando falamos em amar os inimigos, não entenda que é preciso amar como amamos os espíritos afins. Mas sim, tratá-los com respeito

E ainda, podemos:

  • Desenvolver e manter a capacidade de perdoar. 

Aquele que não perdoa, não pode amar. Sabemos que é impossível iniciar o gesto de amar o inimigo sem a aceitação de perdoar sempre a quem nos faz mal. Vale lembrar, que o ato de perdoar deve partir sempre daquele que foi insultado. 

O perdão é como um catalisador que cria a atmosfera necessária para recomeçar.

Lembre-se que o perdão significa reconciliação, um regresso a posição anterior. E ainda, o grau da capacidade de perdoar é o que determina o da capacidade de amar os inimigos. 

  • Reconhecimento

Devemos reconhecer que nem sempre a má ação do outro, do inimigo, exprime a sua maneira de ser.  A partir do momento que olhamos para além da superfície ou para além do gesto maldoso, sempre vamos perceber algum grau de bondade, e acabamos percebendo que a maldade de seus atos, não trazer aquilo que ele é. 

  • Compreensão 

Sempre que tivemos o sentimento de humilhar o inimigo, não devemos fazê-lo. Todas as nossas ações, devem contribuir para um entendimento com o inimigo e abrir portas para o perdão.

Para finalizar, devemos evitar o mal e as energias negativas praticando o perdão, a paciência. E ainda, devemos nos desprender do orgulho e do egoísmo. Lembrem-se das palavras de André Luiz:

O amor é a força que transforma o destino. (André Luiz)

Quer saber mais sobre o tema? Então,confira o programa Rádio Revista André Luiz:

 

 

Fonte: Portal do Espírito

leave a reply

WhatsApp chat