QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“Em matéria de felicidade só se possui aquela que se dá.” Emmanuel

Estudo_espirita

Enxaqueca reflete sensibilidade física e desarmonia com o corpo astral, diz médico espírita

Enviado em 10 de janeiro de 2018 | Publicado por Rádio Boa Nova

Muitas pessoas se questionam se a enxaqueca pode ter origem espiritual ou não. Segundo o médico, escritor e conferencista espírita, Ricardo Di Bernardi, não é possível generalizar neste caso.

Na publicação da Revista Internacional de Espiritismo, de novembro passado, ele afirma que cada pessoa possui uma sensibilidade individual e física.

De acordo com Bernardi, o espiritismo demonstra que o corpo físico reflete a fragilidade ou mesmo a desarmonia do corpo astral.

Portanto os níveis de profundidade dos sintomas da enxaqueca ocorrem devido a condição energética de cada espírito encarnado.

Ainda segundo o especialista, existem certos genes que estão relacionados à enxaqueca. O espiritismo explica também que a dor é atraída pelo perispírito que está sintonizado nesta energia.

“O magnetismo do corpo espiritual, isto é, as matrizes energéticas do perispírito estimularam a liberação de um óvulo com a predisposição para este tipo de problema”, disse Bernardi.

No entanto, possuir essas dores não significa que estamos sempre pagando por erros de vidas passadas. Deve-se consultar um especialista em questões espirituais para cada caso. Mas para tratar a enfermidade Bernardi dá algumas dicas. Ele recomenda acompanhamento médico, terapias energéticas e de regressão às vidas anteriores. Na parte medicamentosa, tratamentos homeopáticos e espirituais para eventuais obsessões são boas alternativas.

Além disso, ter uma vida saudável é salutar para equilibrar corpo e espírito. “Partem do corpo mental, criando no corpo astral campos magnéticos organizados refletindo no corpo físico e modelando um corpo biológico saudável e harmonizado”, finalizou Bernardi.

Fonte: Revista Internacional de Espiritismo, mês de novembro de 2017.

Para saber mais sobre o assunto, assista:

Parte 1

Parte 2

Parte 3

 

Parte 4

 

Deixe seu comentário:

WhatsApp