QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“A melhora de tudo para todos começa na melhora de cada um.” Emmanuel

Estudo_espirita

Qual a verdadeira natureza dos animais?

Enviado em 5 de maio de 2017 | Publicado por Rádio Boa Nova

Montagem com animaisO ser humano é livre para fazer escolhas e pensar, e com isso, a chamada “massa” humana acaba escolhendo a partir dos “modelos” de cada cultura. Por isso, pode-se perguntar: O que leva as pessoas a se tornarem indiferentes ao sofrimento e à vida dos animais?

A sociedade tende a priorizar somente o seu bem-estar, com exploração da natureza, e também com o chamado antropocentrismo, especialmente daquele que exerce o poder.

Segundo uma matéria do jornal “O Clarim”, ao falarmos que os animais não tem alma estamos classificando-os como “coisas”, o que acaba gerando uma estratégia para poder e exploração.

Segundo a reportagem, no século XVII os animais eram considerados “máquinas” insensíveis e automatizadas, já que a sensibilidade era considerada como atributo da alma, sentimento que somente humanos poderiam sentir. Com isso, gemidos, uivos que são emitidos pelos animais não eram interpretados como sofrimento, e sim com automatismos da “máquina”.

Entretanto, a chamada “coisificação” persiste até hoje. Muitos consideram os animais irracionais, seres que não pensam, não tem inteligência e que agem somente por instinto e sem alma.

Porém, hoje em dia, a Biologia e Etologia moderna consideram os animais serem sencientes, ou seja, que têm sensibilidade, inteligência e outros atributos inerentes. Ainda de acordo com a matéria, nos anos 60, a ciência teve um grande avanço na questão dos animais.

O biólogo Gregory Bateson passou conceitualizar a mente como processo de manifestação da vida. E recentemente, pesquisas relacionadas ao papel funcional das áreas cerebrais dos cachorros, vem mostrando que existem nesses animais áreas que dizem respeito a percepção e ao processamento de voz semelhante ao processo funcional que são apresentados pelos seres humanos.

Com isso, hoje existe um novo conhecimento científico que diz respeito a natureza dos animais, eles são seres que: pensam, possuem inteligência, memória, sensibilidade, sensação, além da capacidade de desfrutar de sofrimento físico e mental.

Allan Kardec, na questão 597, de O Livro dos Espíritos, escreveu que os animais tem alma e são seres inteligentes.

Pois que os animais possuem uma inteligência que lhes faculta certa liberdade de ação, haverá neles algum princípio independente da matéria?

“Há e que sobrevive ao corpo.”

Será esse princípio uma alma semelhante à do homem?

“É também uma alma, se quiserdes, dependendo isto do sentido que se der a esta palavra. É, porém, inferior à do homem. Há entre a alma dos animais e a do homem distância equivalente à que medeia entre a alma do homem e Deus.”

No que diz respeito a encarnação, a doutrina espírita nos ensina que os animais reencarnam e evoluem.

À alma dos animais é dado escolher a espécie de animal em que encarne?

Resposta: “Não, pois que lhe falta livre-arbítrio.”

Os animais estão sujeitos, como o homem, a uma lei progressiva?

“Sim; e daí vem que nos mundos superiores, onde os homens são mais adiantados, os animais também o são, dispondo de meios mais amplos de comunicação. São sempre, porém, inferiores ao homem e se lhe acham submetidos, tendo neles o homem servidores inteligentes.”

A.K.: Nada há nisso de extraordinário, tomemos os nossos mais inteligentes animais, o cão, o elefante, o cavalo, e imaginemo-los dotados de uma conformação apropriada a trabalhos manuais. Que não fariam sob a direção do homem? (Questões 599 e 601, de O Livro dos Espíritos)

Já em relação a inteligência, Kardec nos ensinou que o instinto é uma espécie de inteligência.

Espírito é sinônimo de inteligência?

Resposta: “A inteligência é um atributo essencial do Espírito. Uma e outro, porém, se confundem num princípio comum, de sorte que, para vós, são a mesma coisa.”

Infelizmente, em meio a todos esses conhecimentos, ainda existem pessoas alheias aos sofrimentos dos animais e que desejam mudar o mundo. Porém, para mudá-lo é preciso começar por uma mudança interna.

Fonte: O Clarim 

 

 

Por Juliana Chagas 

Jornalista e produtora da Rádio Boa Nova

Deixe seu comentário:

WhatsApp