QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

“A vida por fora de nós é a imagem do que somos por dentro.” Emmanuel

Estudo_espirita

Reino Unido cria “secretaria da Solidão”

Enviado em 8 de fevereiro de 2018 | Publicado por Rádio Boa Nova

O Reino Unido criou uma “secretaria da Solidão”, que tem como objetivo buscar soluções para este problema. Um relatório divulgado em 2017, mostrou que a solidão causa um impacto negativa na saúde semelhante ao de fumar 15 cigarros por dia.

E ainda, no Reino Unido, apesar de ser registradas em todas as idades, a solidão afeta acima de tudo pessoa com mais de 75 anos. De acordo com uma pesquisa, metade das pessoas nesta idade vivem sozinhas, sem nenhuma interação social.

A psicologia define a solidão como uma “doença traiçoeira”, já que não é possível detectá-la, o que gera: isolamento, desânimo, tristeza e baixa autoestima.

No livro “O Homem Integral”, Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Franco, está escrito que a solidão é cruel e que tem origem nos nossos medos:

“Solidão é espectro cruel que se origina nas paisagens do medo e que na atualidade, é um dos mais graves problemas que desafiam a cultura e a humanidade. O homem solitário é todo aquele que se diz em solidão, exceto nos casos patológicos, alguém que se receia encontrar, que evita descobrir-se, conhecer-se, assim ocultando a sua identidade na aparência de infeliz, de incompreendido e abandonado.”

E a partir de quando passamos a sofrer com a solidão?

De acordo com o espírito Hammed, no livro “As Dores da Alma”, psicografado por Chico Xavier:

Sofremos de solidão toda vez que desprezamos as inerentes vocações e naturais tendências da alma […] nos distanciamos do que realmente somos, criamos um autodesprezo, passando, a partir daí, a desenvolver um sentimento de solidão, mesmo rodeados das pessoas mais importantes e queridas de nossa vida.”

Quando a solidão bater é preciso ocupar a sua mente, tornar-se mais sociável

Confira o texto: Você se sente sozinho?

Saiba mais sobre o assunto:

 

Fonte: globo.com

 

 

Por Juliana Chagas 

Jornalista e produtora da Rádio Boa Nova

Deixe seu comentário:

WhatsApp