QUER RECEBER NOSSAS NOTÍCIAS EXCLUSIVAS?

-->

“Estude a si mesmo, observando que o autoconhecimento traz humildade e sem humildade é impossível ser feliz.” André Luiz

Artigos

Fluidos – Energia

Enviado em 4 de junho de 2019 | Escrito por Isadino dos Santos | Publicado por Rádio Boa Nova

O assunto que vamos abordar nesse artigo é uma pequena parte do capítulo XIV do livro “A Gênese” de Allan Kardec, que nos traz explicações importantes a respeito dos fluidos. Digo pequena parte porque, como esse capítulo contém vários itens, ocupando aproximadamente 36 folhas, fica inviável descrever todos eles em tão pouco espaço.

Mas, antes de entrar no tema, propriamente dito, faz-se necessário um breve comentário a respeito da palavra fluido. Algumas pessoas têm dúvida se a pronúncia correta é fluido, ou se é fluído. Embora não sendo professor de português, posso afirmar que as duas estão corretas.

Podemos usar, como exemplo, a seguinte frase: Se o registro do bujão de gás não estivesse fechado todo o fluido teria fluído. Portanto, quando se diz fluido, está se referindo ao conteúdo do bujão, por isso emprega-se um substantivo e quando se diz que ele teria fluído, quer se dizer que teria escapado, se evaporado, nesse caso emprega-se um verbo (do verbo fluir). Mas, isso não vem ao caso, esse comentário é apenas para esclarecer a dúvida, o que interessa é saber o que é um fluido e mostrar o papel que ele exerce em nossas vidas.

Até o final do século XIX, o termo fluido era usado quase que exclusivamente para designar a transformação de uma substância de um estado líquido para vaporoso, como a água e alguns gases. No entanto, em 1857, durante a codificação da Doutrina Espírita, os espíritos esclareceram a Allan Kardec que fluido não era apenas o vapor da água e os gases; tudo que existe, com exceção dos espíritos cuja essência ainda é desconhecida, é fluido. Eles explicaram, também, que essa substância que circula por todo o universo, por possuir propriedades especiais para criar e transformar as coisas, dando origem a todos os corpos, é o fluido primário, motivo pelo qual Kardec chamou de fluido universal.

Naquela época a ciência física já havia descoberto que tudo que está em movimento gera energia, e como essa atmosfera fluídica está constantemente se movimentando, produz energias de diferentes tipos, Vamos tomar como exemplo a água, cujas moléculas são compostas de três átomos, dois de hidrogênio e um de oxigênio. Dependendo da posição em que essas moléculas se encontram em relação às outras, a água poderá se apresentar em três estados: líquido, sólido e gasoso, (isso nós já aprendemos na escola quando éramos crianças). Estando no seu estado natural, que é líquido, as moléculas ficam se movimentando próximas umas das outras, mas, na medida em que são submetidas a baixa caloria, vão se agrupando até ficarem praticamente grudadas, passando para o estado sólido porém, quando recebem o fluido calórico, novamente vão se separando até voltar ao estado normal. Novamente no estado natural, na medida em que a temperatura vai aumentando, elas vão sendo impulsionadas pelo calor e se afastando até se transformar em vapor, ou fluido.

Como todos nós, espíritos encarnados que somos, vivemos aqui na Terra mergulhados nessa atmosfera fluídica, invisível aos nossos olhos, e que circula em todo o planeta, cada um possui ao redor do seu corpo físico uma quantidade própria desse fluido que chamamos de corpo perispiritual, ou perispírito, e pelo qual recebemos e transmitimos energias vindas do cosmo e das outras pessoas.

Portanto, estamos numa constante troca de energias que, dependendo de sua origem, poderão ser positivas ou negativas.
Quando recebemos essas energias elas passam a circular em nosso corpo perispiritual; se forem positivas só nos farão bem, porém, se forem negativas provocam uma intoxicação fluídica que quando desce para o nosso organismo físico cria um campo energético propício para instalação das doenças chamadas  psicossomáticas. Diante disso, pode parecer que, por estarmos vivendo no meio de tantas energias nocivas, estamos fadados a adquirir todas as doenças. Não é bem assim, muito embora estejamos expostos às energias negativas, que causam doenças, em contrapartida as positivas atuam como um verdadeiro antídoto contra elas.

Existem diversas maneiras de eliminar as doenças provocadas pelas energias negativas, como as cirurgias espirituais, a água fluidificada, o passe, etc., mas, como o assunto é bastante extenso e o espaço não nos permite falar de todos eles, vamos abordar apenas o passe, que nada mais é do que a transfusão de fluidos pela imposição das mãos.

No Novo Testamento encontramos vários exemplos de curas feitas por Jesus por meio de passes, e que as pessoas achavam que eram “milagres”, como os cegos da estrada de Jericó, o homem da mão seca, o paralítico da piscina, e tantos outros.

Diante de tantas curas realizadas por Jesus, elas achavam que ele era o próprio Deus. No entanto, quando se aproximava de um doente e impunha suas mãos sobre ele, o que fazia era manipular corretamente os fluidos e fazer a transfusão, mas não realizar milagres. Por isso ele disse a elas: Se vocês acham que eu sou Deus por causa daquilo que fiz e faço, vocês também são deuses, porque podem fazer o mesmo e muito mais. No livro de Marcos consta que, conversando com seus discípulos Jesus disse: “Em meu nome porão as mãos sobre os enfermos e os curarão”.

Com essas palavras Jesus quis dizer que qualquer um de nós, estando equilibrado, com um forte desejo de ajudar, e souber manipular corretamente os fluidos, pode beneficiar um enfermo com passes. Se uma pessoa nessas condições se aproximar
de um doente poderá cura-lo, mas, desde que a moléstia não seja uma prova ou expiação. Lembrando que, muitas vezes o passe não alcança a cura desejada porque essas razões especiais não permitem. Porém, nem por isso deixa de ser útil,
pois, nesse caso, sua aplicação serve para descarregar fluidos deletérios que aquele espírito absorveu no contato com os demais.

Em 1775, na Alemanha, um fato estranho chamou à atenção de um médico chamado Franz Anton Mesmer quando ele percebeu que alguns dos seus pacientes em pouco tempo ficavam curados mesmo sem receber nenhum medicamento.

Depois de estudar minuciosamente aquele fenômeno, ele descobriu que quando impunha suas mãos sobre o enfermo, um fluido se desprendia delas, penetrava no corpo do doente e ele ficava curado. Mas, como ainda não havia nenhuma explicação racional para aquele fenômeno, ele o chamou de magnetismo animal.

A Doutrina Espírita veio nos esclarecer, também, que o nosso espírito pode atuar sobre os fluidos mediante o emprego de dois critérios: o pensamento e a vontade.

Como o pensamento é atributo do espírito, e tem força criadora, quando temos vontade de fazer alguma coisa, seja para o bem, seja para o mal, pensamos naquilo que queremos realizar, em seguida o nosso fluido impulsiona a nossa vontade que materializa o nosso pensamento.

Estando materializado ele reflete em nosso perispírito como se fosse um espelho; se o pensamento for momentâneo, é fotografado e nele arquivado, porém, se for permanente, é absorvido pelo nosso corpo perispiritual e, em seguida, em forma de
energia, se propaga pelo espaço, por meio de ondas que que obedecem a um padrão vibratório chamado frequência, e é captado pelo perispírito de outras pessoas que estejam na mesma sintonia vibratória que a nossa. Aliás, na primeira parte do livro “Obras Póstumas”, no título “A fotografia e a telegrafia do pensamento”, Kardec esclarece com mais detalhes como o pensamento pode ser fotografado. Sendo assim, de acordo com as normas que regem a ação dos fluidos entre as pessoas, cada um recebe e transmite energias de acordo com aquilo que pensa.

Ernesto Bozzano, em seu livro “Pensamento e Vontade” nos esclarece que “o pensamento e a vontade são forças prodigiosas capazes de plasmar a matéria criando tecidos”. Por exemplo, um espírito, que é muito apegado à matéria, mesmo
depois de desencarnado, permanece com a vontade de continuar vivendo, e com a força desse pensamento concentrado na vida terrena, pode criar um ambiente fluídico como se fosse real e não materializado por fluidos.

Quando nós, espíritos encarnados, por meio da nossa vontade combinamos o nosso pensamento no bem com o mesmo pensamento de um espírito desencarnado, essa combinação, aliada ao fluido universal consegue atuar sobre as energias negativas e mudar sua propriedade transformando-a em terapêutica.

Embora algumas religiões não acreditem na transfusão de energias de uma pessoa para outra, a maioria delas, mesmo inconscientemente, utilizam-se desse método.

O padre, por exemplo, quando coloca as mãos sobre as cabeças dos noivos durante a celebração de um casamento, está emitindo bons fluidos ao casal; o pastor evangélico quando põe as mãos sobre a cabeça de um enfermo para “expulsar o
demônio”, está aplicando um passe, da mesma forma que o médium utiliza esse processo durante o tratamento de desobsessão, sendo assim, todos estão fazendo exatamente aquilo que Jesus recomendou aos seus discípulo, ou seja, estão aplicando passes, portanto, seja qual for o nome que se dê, seja uma benção, seja uma benzedura, seja um descarrego, isso não importa, o que interessa é que todos estão utilizando os fluidos em benefício de alguém.

Para finalizar, é preciso destacar os cuidados que devemos ter com os nossos pensamentos, pois, diante de tudo que dissemos, a conclusão que se tem é que no dia em que cada um de nós tomar consciência dos efeitos maléficos que os maus fluidos por nós emitidos pelo pensamento irão exercer sobre nosso próximo, e perceber, também, que aqueles vindos de outras pessoas da mesma forma poderão nos causar grandes males, perceberá a necessidade de corrigir-se e não mais cultivar pensamentos negativos, pensando somente em fazer o bem.

Lembrando sempre que, quando Jesus nos recomendou orar e vigiar, foi para que mantivéssemos uma vigilância constante não somente sobre as nossas palavras e os nossos atos, mas também, e principalmente naquilo que pensamos.

Isadino José dos Santos

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3

Deixe seu comentário:

WhatsApp