Legalização da Maconha: qual é o seu posicionamento?

Legalizar: tornar legal, dar força de lei a (um ato, ou disposição). Revestir das formalidades exigidas por lei. Autenticar.

Este significado, de fácil entendimento, torna-se difícil quando o assunto é a legalização da maconha.

Pesquisa da empresa Expertise mostra que apenas 19% dos brasileiros são favoráveis à legalização da erva.

Mão segurando planta da maconha

Sim ou Não?

Muitos se perguntam por que legalizar. Outros tantos, por que não legalizar. A resposta é realmente intrigante…

Sabemos que maconha é uma droga, atuante de imediato na vontade do usuário, exercendo atuação prejudicial nas tarefas que ele exerce.

Outro fator relevante é que assim como o cigarro e o álcool, é considerada a “porta de entrada” para outras drogas. Portanto concluímos: maconha determina dependência química.

Alexandre Zakir, delegado de polícia e especialista em segurança pública de São Paulo, possui conhecimentos técnicos muito interessantes sobre o assunto e diz que se a maconha for legalizada, o tráfico aumenta.

Aqueles que são favoráveis defendem a ideia de que ao legalizar, a “guerra às drogas” acabará, e também pela questão de segurança pública e de direitos humanos.

“A guerra às drogas, além de ser cara e inútil está produzindo uma tragédia” diz Jean Wyllys, deputado federal (PSOL-RJ).

Nossa Relação com o Assunto

Todos nós estamos inseridos neste contexto, pois temos ou já tivemos amigos ou familiares dependentes desta ou de algum outro tipo de droga.

Por este motivo é importante nos posicionarmos contra ou a favor, pois cada viciado, segundo estudos realizados, colocam ao menos cinco novos dependentes químicos dentro desta estatística.

“A fraqueza moral da vítima, que se apoia nos valores éticos, capazes de contribuir para a verdadeira felicidade do homem, a ausência de fé religiosa na mente e de comportamento cristão, respondem, isto sim, pela desabalada correria dos que se entregam aos tóxicos, responsáveis pela violência, agressividade, loucura e autocídios que grassam em índices alarmantes por toda parte”. (livro Joanna de Ângelis responde, psicografia de Divaldo Pereira Franco, perg. 40, p. 5 e 56)”.

Diversas ações auxiliam ao nosso posicionamento:

  • A Federação Espírita divulgou nota convocando os espíritas a participarem do debate das drogas e a se posicionarem contra a descriminalização delas no país. Serão realizados vários debates sob a ótica da ciência e da saúde pública (Regulamentação da Maconha no Brasil). A próxima reunião será realizada no dia 25 de agosto de 2014, segunda-feira, às 09h, no Senado Federal, em Brasília. Para informações sobre os dias e horários das audiências ligue: (61) 3303-4251 ou acesse: https://pt-br.facebook.com/ativistasdapaz
  • O impacto da legalização das drogas será o tema da palestra do conselheiro do presidente Barack Obama, Kevin Sabet, em 23 de agosto de 2014, sábado, às 08h, no Palácio dos Bandeirantes/SP. Saiba os assuntos que serão abordados: http://www.spdm.org.br/eventos/#id_register_a
  • “Política de Drogas, papel do Congresso e Supremo em Debate” será o tema do debate gratuito, em 28 de agosto de 2014, quinta-feira. O evento acontecerá no Auditório da Faculdade Impacta Tecnologia em São Paulo, com transmissão simultânea para todo o país pelo portal: www.forumdacultura.com.br

Dica da Rádio Boa Nova

Conhecido como tarefeiro espírita e também policial federal, Nazareno Feitosa defende a não legalização. Assista

“O Difícil Recomeço – Não há Caminho sem Volta” é uma obra que relata a dolorosa jornada dos inúmeros irmãos que retornam à Pátria Espiritual vítimas das drogas. Leia

O programa Recuperação fez a seguinte questão: “Por que usamos drogas?”. Ouça a resposta.

 

Foto de chamada: 3.bp.blogspot.com

Foto ilustrativa: smkbd.com

leave a reply

WhatsApp chat