Os perigos das redes sociais

Psicólogos americanos divulgaram uma pesquisa no “Periódico Americano de Medicina Preventiva” que apontou que as redes sociais estão fazendo com que as pessoas se sintam mais solitárias, ou seja, quanto mais tempo elas ficam online, menos elas interagem com o mundo real.

Segundo a pesquisa ao acessar o twitter, facebook, snapchat por mais de duas horas por dia a probabilidade de alguém se sentir isolado dobra. Além da solidão, o sentimento da inveja também pode ser desenvolvido, por exemplo, ao ver a foto de um amigo se divertindo em festas | eventos a pessoa acaba sentindo inveja porque não foi convidada.

André Marouço no quadro Boletim, da TV Mundo Maior, disse que quando nós abdicamos deste trato social é como se nós nos fechássemos em um casulo, não tendo condições de visitar o nosso interior.

Na questão 766 de O Livro dos Espíritos, Allan Kardec pergunta:

A vida social é natural?

Resposta: Certamente. Deus fez o homem para viver em sociedade. Deus não deu inutilmente ao homem a palavra e todas as outras faculdades necessárias à vida de relação.

E em relação a este isolamento o que dizem os espíritos?

O isolamento absoluto é contrário a lei natural?

Resposta: Sim, pois os homens buscam a sociedade por instinto e devem todos concorrer para o progresso, ajudando-se mutuamente. (O Livro dos Espíritos, questão 767)

Esta interação social é muito importante, já que por meio desta podemos evoluir, além de encontrar no outro o que nós precisamos melhorar em nós mesmos.

O homem, ao buscar a sociedade, obedece apenas a um sentimento pessoal ou há também nesse sentimento uma finalidade providencial, de ordem geral?

Resposta: O homem deve progredir, mas sozinho não o pode fazer não possui todas as faculdades; precisa do contato dos outros homens. No isolamento ele se embrutece e se estiola.

Comentário de Kardec: Nenhum homem dispõe de faculdades completas e é pela união social que eles se completam uns aos outros, para assegurarem o seu próprio bem-estar e progredirem. Eis porque, tendo necessidade uns dos outros, são feitos para viver em sociedade e não isolados.(Questão 768 de O Livro dos Espíritos)

E o que diz a doutrina espírita a respeito da solidão?

A solidão é definida pela psicologia como um estado interno, como um sentimento de que algo ou alguém está faltando e ainda de acordo com a psicologia, a solidão é uma “doença traiçoeira”, já que não é possível detectar, o que acaba gerando: isolamento, desânimo, tristeza e baixa autoestima.

Joanna de Ângelis, no livro “O Homem Integral”, psicografado por Divaldo Franco, diz que a solidão é cruel e que tem origem nos medos:

“Solidão é espectro cruel que se origina nas paisagens do medo e que na atualidade, é um dos mais graves problemas que desafiam a cultura e a humanidade. O homem solitário é todo aquele que se diz em solidão, exceto nos casos patológicos, alguém que se receia encontrar, que evita descobrir-se, conhecer-se, assim ocultando a sua identidade na aparência de infeliz, de incompreendido e abandonado.”

E a partir de quando passamos a sofrer com a solidão?

De acordo com o espírito Hammed, no livro “As Dores da Alma”, psicografado por Chico Xavier:

Sofremos de solidão toda vez que desprezamos as inerentes vocações e naturais tendências da alma […] nos distanciamos do que realmente somos, criamos um autodesprezo, passando, a partir daí, a desenvolver um sentimento de solidão, mesmo rodeados das pessoas mais importantes e queridas de nossa vida.”

A solidão pode também levar a pessoa a usar bebida alcoólica e drogas em excessos, além de provocar angústia, insegurança. Por isso, ficar isolado não traz melhoras, pelo contrário só prejudica.

Quando a solidão bater é preciso ocupar a sua mente, tornar-se mais sociável

Fontes: TV Mundo Maior | Visão Espírita

 

ju

Por Juliana Chagas 

Jornalista e produtora da Rádio B

leave a reply

WhatsApp chat