Setembro Amarelo – Falar é a melhor solução

O suicídio é um tema que continua sendo tabu e as pessoas julgam como assunto proibido, porém precisa ser discutido.

A vontade de tirar a própria vida não é momentânea, ela faz parte de uma série de acontecimentos e sentimentos que pode estar ligada a alguma doença mental, a maioria depressão. Os principais sintomas de um comportamento suicida são:

  • Mudanças drásticas de comportamento
  • Abandono das atividades sociais
  • Instabilidade emocional e depressão
  • Agitação e irritabilidade
  • Consumo de álcool e drogas

As pessoas que ameaçam tirar a própria vida podem desistir da ideia, quando recebem ajuda preventiva ou oferta de socorro perante uma crise.

E como alerta de conscientização, foi criado o “Setembro Amarelo”, campanha esta que diz respeito da prevenção do suicídio. A ação tem como objetivo alertar a população a respeito do suicídio no Brasil e no mundo e suas formas de prevenção.

No Brasil, quem promove essas ações é o CVV – Centro de Valorização da Vida Segundo a Assessoria do CVV, a cada suicídio, de seis a dez outras pessoas são diretamente impactadas. O suicídio é considerado um problema de saúde pública, e um brasileiro morre deste mal a cada 45 minutos.

Qual a visão espírita do suicídio?

O espiritismo nos esclarece de modo muito claro, por meio de diversas obras o “pós-suicídio”. Não pode-se afirmar que todos os suicidas enfrentam a mesma realidade no plano espiritual, já que cada caso é um caso. No livro “Memórias de um Suicida”, psicografia de Yvone Pereira do Amaral, o espírito Camilo narra a sua mais impressionante experiência como suicida, onde relata a sua estadia no Vale dos Suicidas. Confira:

“O suicídio é uma teia envolvente em que a vítima – o suicida – só se debate para cada vez mais confundir­se, tolher­se, embaraçar­se.”

Já em relação a certeza da continuação da vida, Camilo relata o sentimento que o arrebatou:

“Sentia-­me, pois, ainda cego; e, para cúmulo do meu estado de desorientação, encontrava­-me ferido. Tão somente ferido e não morto! Porque a vida continuava em mim como antes do  suicídio!”

E mais adiante revela que após o desencarne o espírito é atraído para o local que as suas energias estão afinizadas:

“O Vale Sinistro apenas representa um estágio temporário, sendo ele para lá encaminhado por movimento de impulsão natural, com o qual se afina, até que se desfaçam as pesadas cadeias que o atrelam ao corpo físico­terreno, destruído antes da ocasião prevista pela lei natural.”

 

Quer saber mais sobre o suicídio? Ouça o programa Saúde no Terceiro Milênio:

 

Faça uma doação pelo site: feal.colabore.org

 

leave a reply

WhatsApp chat