Suicídio inconsciente

Pronto Atendimento

Entre os temas abordados da tarde, o destaque foi a questão dos vícios e excessos que podem desencadear na falência do corpo físico, o chamado suicídio inconsciente. Equipe de atendimento desta edição foi Celina Sobral e Antonio Carlos Tréssino. Medição de Guiomar Sant´Anna.

Leitura complementar

Yvonne do Amaral pela Prevenção ao Suicídio

Yvonne do Amaral foi uma mulher de grande importância para a doutrina espírita. Porque psicografou diversos livros super importantes para estudo.

Como por exemplo, O cavaleiro de Numiers; Sublimação; À Luz do Consolador; Recordações da Mediunidade e o mais famoso, Memórias de um Suicida, entre outros.

Foi pelo livro Memórias de um Suicida que ela ficou famosa. Por constar grandes relatos e estudos sobre a vida de um suicida.

Ela conta ainda em uma das suas entrevistas para a Rádio de 1978 que tem a faculdade da mediunidade desde seus 5 anos de idade.

Yvonne não teve uma infância muito boa, por se lembrar da sua vida anterior e não conseguir se adaptar a sua nova encarnação.

Existem relatos de que ela afrontava seu pai biológico dizendo que ele não era seu verdadeiro pai. Ela se sentia muito deslocada. Fora as experiências mediúnicas que ela tinha constantemente desde cedo.

Veja os livros de Yvonne

Mas a doutrina espírita veio e acalmou seu coração deu luz na sua vida por conta dos diversos trabalho. Tornando assim sua encarnação como uma missão de psicografar. E ela cumpriu com muita dedicação e sabedoria.

Memórias de um suicida nos ajuda a compreender melhor as coisas e aceitar nossos desafios. Separamos um trecho do seu livro que nos dá força para continuar encarnado. Confira:

“Coragem, peregrino do pecado! Volta ao ponto de partida e reconstrói o teu destino e virtualiza o teu caráter aos embates remissores da Dor Educadora! Sofre e chora resignado, porque tuas lágrimas serão o manancial bendito onde se irá dessedentar tua consciência sequiosa de paz!  Então, deixa que teus pés sangrem entre os cardos e as arestas dos infortúnios das reparações terrenas; que teu coração se despedace nas forjas da adversidade; que tuas horas se envolvam no negro manto das desilusões, calcadas de angústias e solidão! Mas tem paciência e sê humilde, lembrando te de que tudo isso  é passageiro, tende a se modificar com o teu ajustamento às sagradas leis que infringiste… e aprende, de uma vez para sempre, que és imortal e que não será pelos desvios temerários do suicídio que a criatura humana encontrará o porto da verdadeira felicidade…”

Texto publicado em 12 de setembro de 2018. 

deixe um comentário

WhatsApp chat