Tatuagem e Espiritismo: Tatuagem afeta o perispírito?

A questão da tatuagem é mais antiga do que se imagina, várias tribos usavam desenhos corporais por inúmeros motivos, por exemplo, povos africanos utilizavam a tatuagem com fins terapêuticos, para introduzir medicamento diretamente no corpo. E ainda, está prática é verificada em ritos de passagem.

E ainda, esta questão da tatuagem ainda gera muita polêmica quando o assunto é tatuagem e espiritismo.

Tatuagem e espiritismo

Não existem recomendações nas obras básicas da codificação a respeito desse tema. Porém, o espiritismo nada impõe, não dita regras, não condena. A doutrina esclarece, orienta e conscientiza por meio da compreensão.

E ainda, ela reconhece que o corpo físico é um empréstimo da Divindade e que cada Ser é responsável por seu Templo Divino. Ou seja, o corpo deve ser preservado e cuidado, e o espírito deve utilizá-lo para viver as experiências propostas nesta encarnação.

Muitos líderes espíritas dizem que as pessoas que tatuam ou colocam piercing são espíritos primários e que carregam lembranças e experiências pretéritas. Por exemplo, segundo Divaldo Franco:  

pessoas que tatuam o corpo inteiro ou o enchem de piercings, são almas que ainda trazem reminiscências vivas de encarnações em épocas bárbaras, quando guerreiros sanguinários se utilizavam desses meios para se impor frente aos adversários.

Será que a tatuagem define a moralidade e a evolução de um indivíduo? Não seria seus pensamentos, ações, sentimentos?

Vale lembrar que muitos adolescentes tatuam seus corpos para dizerem que estão na moda, ou também para expressão sentimento ou opinião. E que a cor da pele; a tatuagem;  a orientação sexual não define a moralidade.

Tatuagem lesiona o perispírito?

Como vimos anteriormente no texto “O Perispírito pode morrer? – Entenda a Segunda Morte”, o perispírito é um corpo fluídico semimaterial que é usado pelos Espíritos após o desencarne, ou seja, é um corpo espiritual.  E na reencarnação, ele pode auxiliar na ligação entre o espírito e o corpo físico.

Na obra Evolução em Dois Mundos, psicografado por Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, o espírito André Luiz, nos fala que o perispírito não é reflexo do corpo físico.

As lesões do corpo físico só terão, pois, repercussão no corpo espiritual se houver fixação mental do indivíduo diante do acontecido ou se o ato praticado estiver em desacordo com as leis que regem a vida.”  (André Luiz, livro Evolução em Dois Mundos)

Para finalizar, lembremos que existem vários maneiras de lesionar o perispíritos, exemplos: drogas, excessos, pensamentos negativos, maledicência, etc.

E que a doutrina espírita acolhe e não julga as atitudes alheias. Por isso, possuímos o livre-arbítrio e cabe a cada um de nós avaliar os cuidados com o corpo físico.

Para saber mais sobre o tema Tatuagem e Espiritismo assista ao programa Mundo Maior Repórter, da TV Mundo:

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

 

 

Por Juliana Chagas 

Jornalista e produtora da Rádio Boa Nova

  • Conteúdo doutrinário fantástico e jornalismo de qualidade. Sempre me ajuda muito na hora de criar os temas para a Mocidade do nosso centro espírita. Parabéns a todos os envolvidos!

leave a reply

WhatsApp chat