Uma história de Gandhi.

Mahatma Gandhi
Mahatma Gandhi

Certa vez, uma jovem indiana, decidiu que seria importante seu filho deixar de comer açúcar.

Ela falou ao filho para deixar de consumir o produto, mas a criança adorava açúcar e não o dispensava.
A mãe procurou  Mahatma Gandhi e contou seu desafio, pedindo que ele falasse ao filho. Gandhi, contudo, pediu-lhe um prazo de 15 dias. Decorrido o tempo, ela deveria retornar com o filho até ele.
Chegou o dia e ela levou o filho até a presença do idealizador, que se demorou falando com o garoto.
A mulher assim que pôde, perguntou a Gandhi porque ele a fez esperar tantos dias, para só depois conversar com a criança.

É muito simples, respondeu Gandhi: “Há quinze dias eu também consumia açúcar e precisava do prazo para abandonar o hábito, pois se não o fizesse, não teria autoridade moral para lhe pedir que o evitasse”.

A utilização ou não do açúcar na dieta alimentar não é o mais importante, no caso. O que se deve levar em conta é o fator exemplo. Gandhi não se sentia à vontade para pedir a uma criança que deixasse de fazer alguma coisa, se ele mesmo ainda a fazia. Assim enquanto as palavras comovem multidões, o exemplo às arrasta.
Gandhi apesar de ter sido indicado cinco vezes entre 1937 e 1948, o pacifista que enfrentou o poder da Inglaterra, nunca recebeu o prêmio Nobel da Paz…
Décadas depois, no entanto, o erro foi reconhecido pelo comitê organizador do prêmio.
Mahatma Gandhi foi assassinato em 30 de janeiro de 1948. A data é celebrada como o Dia da Não Violência.

“A força gerada pela não violência é infinitamente maior do que a força de todas as armas inventadas pela engenhosidade do homem.” Mahatma Gandhi

deixe um comentário

WhatsApp chat